Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

você pode me acompanhar também

Minha página facebook:
https://web.facebook.com/jricoliveira

Ou a pagina do Blog no Facebook:
https://web.facebook.com/oAbsurdoeaGraca/

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

22 de junho de 2009

O demônio e um possível entendimento

J Ricardo A de Oliveira
Recentemente alguém andou perguntando sobre o “diabo” e eu resolvi escrever a respeito.

O demônio é um arquétipo, simplificando, um ente do inconsciente coletivo.
É o outro lado da moeda.
Na década de sessenta diríamos que “faz parte da dialética”, brincadeiras à parte esta entidade justifica sua existência como a contraparte do “Bem”.
Nenhuma moeda tem apenas um lado e se o bem é um dos lados, o outro fica automaticamente reservado ao mal, ao diabo ao demônio ou como se queira chamá-lo.
Mas há um tipo de raciocínio mais interessante sobre esta realidade: Aquilo que não queremos aceitar em nós e que fingimos que não temos, coisas como: raiva, inveja, ganância, e por aí vai, na medida em que não as aceitamos, vão sendo depositadas numa lixeira: que simplificadamente e com licença do eminente Carl Jung chamaremos, um pouco forçadamente de "Sombra".

Fazemos de conta que somos santos e perfeitos. Com essa atitude vamos potencializando essa sombra, esse lado obscuro de nossa psique, e assim corremos o risco de esta parte sinistra se tornar potencialmente mais forte e autônoma.
Quando isto acontece o arquétipo é liberado e, se não estivermos muito bem "cedemos à tentação”, ou melhor dizendo, perdemos o controle.
Estes aspectos sombrios, para muitos, essa parte animalesca do homem, ou a parte primitiva, instintiva do ser humano, precisa ser aceita e integrada na nossa personalidade. E uma vez incorporada precisa ser “domesticada”. Todos temos raiva, mas nem todos pegam em armas para matar seus desafetos. Todos somos invejosos, mas nem todos chegam a ponto de puxar o tapete de um semelhante.O processo de aprimoramento deve ser uma constante. É ai que a figura alegórica do demônio tem sua serventia para as pessoas que tem um pouco mais de dificuldade para entender esse processo.Sem dúvida houve muita deturpação no cristianismo e essa alegoria passou a servir como uma arma poderosa para implantar o medo e a culpa com que as pessoas são dominadas.Mesmo com o uso inadequado o arquétipo está lá. E mais do que temido e confrontado ele precisa ser assimilado e domado.

Somos seres em processo de crescimento e evolução. Muito antes de nos considerar “santos”, precisamos nos descobrir imperfeitos em busca da perfeição. Essa perfeição, ou no dizer do Jung a individuação nos fará pessoas plenamente humanas, tão humanas que estaremos muito próximas do próprio Deus que nos criou como indivíduos.
È daí que surge o convite de Jesus: Sede santos ou como em Mt 5,48.”Portanto, sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito.”

Quanto a figura alegórica do diabo com seus pés de cabra, chifres e rabo pontudo fazem parte do imaginário popular por muitos séculos e por isso tornou-se um arquétipo e passou a fazer parte do nosso inconsciente coletivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário