Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

7 de abril de 2011

Os onze mártires de Realengo

J. Ricardo A. de Oliveira

A manhã desta quinta feira começou trágica. Os noticiários com chamadas alarmantes davam conta de um crime hediondo em Realengo, subúrbio do Rio de Janeiro.
A princípio pensou-se em guerra do tráfico, em policiais invadindo comunidades, mas o tempo revelou uma cena ainda mais desesperadora e brutal. Um jovem entrou em uma escola municipal e matou onze crianças do ensino fundamental e feriu outras vinte e duas!
Os números variaram e ainda não estão totalmente confirmados, mas isso já nem é tão importante, o fato é que houve uma chacina numa escola municipal, onde estudavam crianças menores de 14 anos e o autor dos disparos era um ex-aluno de vinte e poucos anos...
Sabemos que a segurança não é o forte de nossa rede escolar, sabemos que os professores são interrompidos por pais que querem falar sobre seus filhos em hora imprópria, que há vendedores de todo tipo tentando se intrometer nas aulas, mas não é destas irregularidades, também absurdas, que quero hoje falar.

Preocupam-me os valores, as bases da sociedade que está se mostrando a cada dia mais doente, fora dos rumos e sem outro objetivo que não seja o lucro, o poder, o sucesso.
A felicidade comprada, o prazer a qualquer custo, a licenciosidade consentida.

Assusta-me viver em uma sociedade em que amor, compaixão, perdão, gentileza, amabilidade, honestidade, ética e um seleto conjunto de sentimentos, valores e palavras, se tornaram piegas. Coisas do passado, atributos de gente fraca, virtudes de “perdedores”.
Que valores estão sendo inculcados na personalidade destas crianças, submetidas ao bombardeio de necessidades fictícias, de promessas de prazer e felicidade que podem ser compradas com dinheiro de qualquer espécie.
Não há valores, não há ética.

Os participantes de um reality show são classificados como “Herois” porque aceitaram participar de toda sorte de situações para ganhar um milhão e meio de reais. A sociedade por sua vez acha normal e razoável ver um jogo de tramas sórdidas, de comportamentos desrespeitosos pela telinha e gastar fábulas de dinheiro em ligações telefônicas para ter o prazer de escolher quem quer enforcar, ou decapitar ou na linguagem global, eliminar...
Em outra instancia e em outros ares discute-se a legalidade de um projeto que retirará de comunidades indígenas a água de que tanto precisam para viver( Belo Monte). E há quem argumente que se são índios, que transfiram suas aldeias, o progresso não pode ser detido. Modificam-se legislações de acordo com as necessidades dos poderosos, independente do da corrente política que esteja no governo. Direita e esquerda tornaram-se eufemismos desde que o que passou a importar foi, o lucro, o poder e a possibilidade de comandar a máquina de gerar riqueza.
E nesta esteira vão uma série de absurdos caracterizados pela corrupção, pelo desmando, pelos falsos argumentos que mantém Belo Monte, a usina do Araguaia, a Transposição do Rio S. Francisco entre outras aberrações acobertados por de uma sociedade que perdeu o rumo, que substituiu a figura central, a sua razão de ser por uma entidade abstrata completamente fora de qualquer lógica. “O desenvolvimento”.
Mas que diabos será esse tal desenvolvimento? Que dá razão a grileiros contra gente do povo que está assentada na terra há mais de 70 anos ás margens do S Francisco ? Que justifica a destruição e a fome de multidões para engordar contas bancárias no exterior de parlamentares corruptos com os quais nada se pode fazer, como aconteceu recentemente com o ficha limpa.
Perdemos o rumo!

Aliás, um participante de uma das redes sociais que participo, pensando em me desafiar perguntou: Onde estava Deus que permitiu que tantas crianças fossem mortas ?
Me ocorre perguntar: Qual Deus ? A qual deus se quer culpar?
O Deus que mandou seus profetas e o povo desprezou e matou, que insistiu e mandou seu filho, e penduraram-no numa cruz como um malfeitor?

Ou vamos falar de um outro deus? Deus moderno a quem todos querem seguir ultimamente?
Tenho absoluta certeza de que ele é o culpado.
Esse deus que se apresenta para o seu culto ora como lucro, ora como poder e que não dispensa nenhum agrado ou sacrifício para ser adorado pelas multidões ensandecidas.
Que leva pessoas a se degradarem em programas ao vivo pela TV, em troca de uma soma de dinheiro. O deus que exige que se ganhe cada vez mais e mais mesmo que seja necessário roubar, corromper, prostituir-se, devastar e matar. O Deus que promete felicidade e prazer obtido quimicamente mesmo que para isso o seu fiel esteja sendo responsável pela falência moral de toda a sociedade.
O novo deus não escolhe devotos, recebe e seduz a todos. A cada dia tem mais e mais seguidores que lhe prestam culto sub-repticiamente nas casas, nas igrejas, nas empresas, no parlamento, nos palácios governamentais, nas sedes apostólicas, em todo canto e lugar. E é um deus insaciável. E presenteia a seus fiéis com esse seu atributo máximo a insaciabilidade.
Sim é esse deus que nos tirou do rumo.

É momento de uma grande reflexão.
O sinal foi dado, os mártires, esses onze inocentes, derramaram seu sangue para nos alertar de que estamos sem rumo, e se nada for feito nos destruiremos, melhor seria dizer nos consumiremos.
Será esse o preço a pagar?
O rapaz de vinte e poucos anos, pelo que parece soropositivo parece que não teve dificuldade para conseguir duas armas e uma quantidade absurda de munição.
Mas quem venderia armas e munição a um jovem recém saído da adolescência?
Certamente um fiel adepto do novo deus...

Nenhum comentário:

Postar um comentário