Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

2 de maio de 2011

Bin Laden Morto pelos EUA.


Eu nem estranharia a notícia, já que há quase dez anos ela era esperada, mas me choca a forma como o público reagiu à morte, e me aterroriza mais ainda o fato de o Premio Nobel da Paz declarar publicamente:
 “matar Osama Bin Laden era prioridade do governo americano”. "A justiça foi feita"
São tempos curiosos os nossos, certamente alguns apressados poderiam pensar erradamente que justifico qualquer dos crimes cometidos pelo terrorista morto. Jamais!  Mas fico com uma desagradável sensação por assistir perplexo a este episódio de matá-lo, assim, sem que o tivessem prendido e levado a julgamento e até chegassem ao absurdo da condenação à morte e o executassem como fazem nas cadeiras elétricas deste país, que com absoluta certeza é o novo Império Romano de nosso tempo. Mas fica em mim a pergunta: o que nos faz diferentes deles, esses loucos que não dão nenhum valor á vida e matam sem escrúpulos, sem critérios, sem respeitar a lei maior  a que chegamos fruto de nossa suposta evolução.
  
O que foi feito de nossa humanidade? Que diferença queremos fazer entre matar por vingança, por fanatismo e exercer a capacidade de sermos justos e dignos?
Tenho a sensação de que ao chegar á terceira idade sou tomado por uma perplexidade insana  que embruteceu os corações, substituiu o AMOR pelo poder e pelo dinheiro, que revogou as leis ancestrais que dignificavam a raça humana e nos transformou  em bárbaros que saímos às ruas, tal qual no circo de Roma para comemorar a morte dos “inimigos”, para saudar os Cézares e sua ambição de domínio do mundo.  
Houve um tempo, e não está muito longe em que a vida e a morte tinham valores diferentes, saudava-se a vida e lamentava-se a morte, ao homogeneizar as duas realidades, sem perceber nos confundimos e colocamos numa mesma categoria, agressores e agredidos, mocinhos e bandidos, gente e animais.
Talvez seja por isso que fatos como o corrido há pouco, como o da escola de Realengo, tenham já caído no esquecimento.
Certamente seria um grande dia para comemorarmos a vitória da justiça sobre a impunidade se tivéssemos acordado com a notícia de que os Estados Unidos  finalmente havia prendido o terrorista responsável pela morte de tantos e que ele seria levado a julgamento ...
Depois disso será que alguém ainda vai querer receber um premio Nobel da Paz ?

Nenhum comentário:

Postar um comentário