Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

28 de junho de 2011

Hercoles Jaci - Aparentar é mais que ser, um Brasil Travestido.

Hercoles foi meu professor em inúmeros cursos de medicina complementar e  no curso de pos graduação em Terapia Floral na UERJ. Devo a ele muito da abertura de minha mente. É uma pessoa rara que tornou-se um amigo. Apesar de vivermos em cidades e estados diferentes sempre estamos em contato. Este artigo que ele escreveu no seu Blog "escritos de alma para alma" é como um grito de alerta,muito lúcido como tudo o que o Hercoles faz, escreve e diz.
Achei que seria interessante colocá-lo no meu Blog e compartilhar com vocês.
abs,
 J Ricardo



Aparentar é mais que ser  !!!! Um Brasil travestido......

 *Hercoles Jaci,


 Erich Fromm foi um dos grandes psicólogos do Século 20. Ele trouxe à Psicologia uma dimensão maior, espiritualizada, transcendente mesmo. Ele teve a coragem de re-humanizar a Psicologia, quando esta estava prestes a se tornar muito fria, analítica no pior sentido da palavra, fruto de um capitalismo cada vez mais opressor e impedidor de escolhas, aberturas, reflexões e de uma "forçada de barra" para  que ela se tornasse algo estático e visto por um olhar pré direcionado. Ele conseguiu em suas obras um diálogo, um debate entre Marx, Freud, Buda, Mestre Eckhart, Basho, Suzuki, Jesus, Goethe e tantos outros pensadores, zen budistas, linguistas, cristãos, filósofos....
Fromm batia num ponto forte do ser humano : Ter ou Ser?  Aliás, esse é um título de um dos seus mais lidos livros....Ter ou Ser????
Nesta contemporaneidade, neste século 21, alguns autores demarcam, a partir principalmente dos anos 80/90 do último século, o início de um chamado pós modernismo. Os autores que acreditam que entramos nesta fase, vêem como característica principal deste tempo histórico a banalização de tudo: sexo, vida, morte, afetos, relacionamentos, conhecimento, educação, corpo, etc.
Esse pós modernismo, segundo seus pesquisadores, valoriza de sobremaneira o jovem; os modelos no lugar de ideologias; a mídia, a performance, a aparição no lugar da publicação; o consumidor (a ser seduzido), o/a star  no lugar do herói; o vi na TV ou Internet no lugar do li num livro, o corpo estabelecido no lugar da consciência, etc. Com tudo isso invadindo e tomando o lugar de ; penso que hoje, Erich Fromm acrescentaria às suas questões e debates o verbo APARENTAR.  Ser, ter ou aparentar ?       Seria esse um novo livro de Fromm caso ele ainda estivesse vivo?
 Acreditando que os autores que sinalizam este pós modernismo estejam num caminho lúcido, podemos presenciar hoje a força do aparentar. Observemos à nossa volta que país travestido, draq queen que vivemos. Quero esclarecer que o termo draq queenaqui utilizado é uma metáfora da "montagem" que artistas fazem ao se tornarem personagens que não são parecidos com sua cara ao natural, do dia a dia. Uma artistadrag queen uma vez disse que pó compacto (maquillage) de drag é argamassa....Umadrag queen quando se "monta" tem a intenção de atuar, expressar o dom criativo, teatral...
Porém, o Brasil draq queen que quero discutir aqui é a montagem das "verdades" para aparentar algo que seja útil para a manutenção desse poder dominante, opressivo, com cara e cheiro de democracia, com aspecto de progresso, com aparência de que tudo está bem, que, há crise nos USA, na Europa, mas aqui não....Nossa vida aqui é tãopolianesca como uma propaganda de margarina, de Sabão em Pó....
Uma vez um psicólogo bem experiente escreveu que em algumas famílias havia uma oficina de fabricar "loucos varridos", pois um dos sintomas que a loucura pode apresentar é o sentimento de que o que se percebe não tem ressonância com a realidade do senso comum. Ou seja, esse profissional verificava que era muito comum a criança presenciar uma situação, perceber uma determinada cena e o pai, a mãe ou outra "pessoa grande" negar o percebido. Como por exemplo: - Mãe você está chorando? - Não filho, mamãe está com um cisco no olho. E essa mãe realmente está chorando. É uma arte de fabricar "loucos varridos" quando se nega de uma maneira habitual uma percepção imediata, lúcida...
É o que estão fazendo conosco, é o que estamos fazendo uns com os outros, é uma peste social que praticamos ao negar o evidente, o óbvio. É um mar de contraditoriedades, porque o discurso é euforizante: o país é um poço de progressos, a Tv, os jornais, a Internet (arautos dessa esquizofrenia) nos joga nos píncaros de "somos o cara!". Porém, ao lançarmos mão de nossa lucidez, percebendo nossa angústia/desconforto ao confrontarmos esse discurso com a prática, com o cotidiano duro e árduo de uma tarde qualquer de terça feira, ficamos como a criança: Minha está mãe chorando ou está com um cisco no olho?.
Que quantidade de empregos é essa, sendo que conhecemos centenas de pessoas bem qualificadas, corretas, competentes que estão desempregadas, marginalizadas, socialmente desqualificadas? Que país criado no imaginário dos estrangeiros é esse que gera convite para palestras milionários para o" ex- presidente paz e amor", vedete internacional, negritar e ampliar essa fantasia?
  
O enfraquecimento/sucateamento da Educação....

  Como está nossa Educação? Observem as propagandas do governo sobre Educação que são veiculadas diariamente. Que MEC, CAPES, que políticas públicas são essas que sucatearam esse processo educativo, que o transformou, como afirmam os pós modernistas, em mais um produto banal, descartável.
Estudar, refletir, pesquisar, dialogar, ler, escrever, respeitar professores e colegas são atributos sufocados por políticas de total descrédito da Educação, no sentido mais bonito que palavra possa ter. Quem quiser ver, com clareza, sem miopia, sem opacidades, observe a confusão, o caos que o Ministério da Educação consegue fazer, por exemplo, com o Enem, com as cotas, com o vestibular...
As escolas superiores particulares surgem no dia a dia como se inauguram barzinhos em Belo Horizonte (cidade deles). E vale tudo: *Educação à distancia: -Aula presencial uma vez por semana. - *Inscreva-se e ganhe um Tablet - *Traga um amigo e ganhe 20% de desconto-* Marque dia e melhor horário para fazer seu vestibular......
As faculdades particulares são um nicho, hoje, de empresários frenéticos por lucro a qualquer custo, agentes perversos de um capitalismo "trator" que anula qualquer respeito acadêmico, toda e qualquer sacralização do saber, do conhecer..
A Educação contemporânea, pasmem, é pior em qualidade do que na época desastrosa da ditadura militar (1964-1984).
Vende-se, hoje,  títulos acadêmicos que nem badulaques na 25 de março.
  
De fato, como está funcionando o país????

E a saúde, as estradas, a segurança, a circulação nas grandes cidades? Cada um que está lendo deve ter sua própria percepção sobre a deficiência de cada setor desse. Enquanto isso no Brasil drag queen que vivemos, nessa "fábrica de loucos varridos"; nossa angústia e insatisfação é nossa sinalização de saúde, pois o melhor dentro de nós está gritando que tudo é fake (falso), que o que é propagandeado, alardeado não condiz com a nossa realidade, percepção. Mamãe está chorando mesmo, não tem cisco nenhum no olho . Mãe chora, a gente chora!!!
Um dos pontos que podemos verificar nesse Brasil Drag Queen, ocorrido há alguns meses, foi a "montagem" da Presidente Dilma. Não estou aqui julgando seu caráter, pois não a conheço. Porém, mantendo minha lucidez e percepção, acompanhei uma imagem sendo "montada", numa argamassa de mulher dócil, antes sisuda e de "bico armado". Uma pessoa fechada se travestindo de sensível, mãe dos fracos e oprimidos; com opiniões de um mimetismo rápido e oportunista para angariar a simpatia daqueles que votam, do povo. Uma outra característica do mundo pós moderno é fabricação de mitos, os assessores, os "personal qualquer coisa", osmarketeiros políticos que transformam qualquer um que no convier para atingir o voto, para se imiscuir na subjetividade do povo, enfeitiçando-a. Convido-os à uma outra leitura do significado de povo.

O que é verdadeiramente povo? A voz do povo é a voz de Deus? Que povo é esse que elege cegamente seus escravizadores, seus expropriadores?

Durante muitos anos tive a honra de estudar, pesquisar pensadores que me ajudaram a tirar várias amarras da minha percepção impregnada por séculos de colonialismo, cegueira, subserviência.. Dentre esses estudiosos cito Reich, Foucault, Guattari, Paulo Freire e muitos outros que contribuem denunciando, clareando, instigando, virando nossa ótica/perspectiva ao avesso para percebermos como fomos condicionados a um olhar propício ao poder dominante, fragilizador.
Reich, morto em 1957 pelo sistema que ele tanto combateu, estudou profundamente nosso corpo e como esse corpo tem uma estrutura básica de funcionamento que nos permite ter energia, vitalidade, prazer. Uma pessoa que cresce num corpo que a possibilite de se expressar, de conhecer o mundo através dele, que sua natureza física possa ser acolhida e integrar-se à natureza num âmbito maior e aos de seus pares tem uma possibilidade muito grande de vivenciar o prazer de estar vivo. Uma pessoa viva é perceptiva, é curiosa, é interrogativa, é afirmativa, é presente, é desperta; respira dando-se conta dessa respiração; explora o potencial de seu corpo integrando-os aos sentimentos, emoções, pensamentos e criatividade, sintonizado com o Cosmos. Tudo isso associado a um processo educativo facilitador, emancipatório, resulta em pessoas inteiras, VIVAS. Claro que isso, grosso modo, é o ideal da formação de uma pessoa saudável para Reich. Porém, Reich sempre estudou a estrutura do poder dominante: o Estado e a Igreja. E como os valores, as políticas, os interesses desse Estado, dessa Igreja invadiram os corpos dos seres humanos através das famílias, dos grupos sociais; desviando nosso fluxo bioenergético, encouraçando esse corpo através da culpa, da manipulação, da opressão, fragilizando o ser humano, numa hipnose profunda que Foucault chamava de docilização, ou seja a gente se torna "dócilzinho", como um gatinho pedindo leite.......
Dessa forma, nos tornamos menos alertas, mais enfraquecidos, menos perceptivos, mais aptos, porém, para agir obedecendo, cedendo poder pessoal para esse poder dominante. Então, para Reich, o povo de fato é o "Zé Ninguém", e político adora falar de boca cheia: POVO. É; pela lente reichiana esse POVO decantado pelos políticos/poder são pessoas enfraquecidas, pouco críticas, desvitalizadas, quase nada despertas, alvos fáceis de manipulação, de se enredar na aparência, no travestido progresso que nos enfiam goela/alma abaixo...Passam a ser, assim, agentes/atores da cultura da dádiva: "Vereador tal é que calçou minha rua"; "Deputado tal é que construiu esse posto de saúde"; Presidente x é que liberou meu remédio para pressão", etc.
É um processo de consolidação do cidadão-pedinte; ocasionando uma saúde civil fragilíssima. 
Esta é uma das causas pelas quais esse poder dominante não quer uma Educação que favoreça à reflexão, o diálogo, o debate, o conhecimento histórico que nos possibilite decodificar discursos, intenções ocultas; reinventar-nos, propor, perceber, aspirar por transparências, por PARTICIPAÇÃO. Para o poder dominante é importante uma Educação sucateada como a contemporânea, onde numa aliança perversa; professores e alunos se alinham num acordo: -Eu finjo que ensino e você finje que aprende.
 E assim mantemos esse Brasil drag queen, com argamassa de potência mundial, maquilado de Ordem e Progresso....

"Fiz de mim o que não soube
E o que podia fazer de mim, não fiz
A fantasia que vesti era errada
Conheceram-me logo por quem não era,
não desmenti, e perdi-me.
Quando quiz tirar a máscara, estava pegada á cara.
Quando a tirei e me vi no espelho, já tinha envelhecido.
Não sou nada.
Nunca serei nada
À parte disso, tenho em mim todos os sonhos do mundo"
 Fernando Pessoa



 *Hércoles Jaci é psicólogo clínico e organizacional formado em 1980; de Belo Horizonte-MG.  Mestre em Gestão e trabalho com ênfase em subjetividade no contexto organizacional . Doutor Honoris Causa pela Unimec International/OMS-Organização Mundial de Saúde . Professor na Pós graduação UFMG. Psicoterapeuta reichiano, de família e de casais por muitos anos.  Escreve nos "Escritos de alma para alma" no www.hercolesjaci.wordpress.com     

Nenhum comentário:

Postar um comentário