Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

15 de fevereiro de 2012

A cruzada secreta de Bento XVI

Matthew Fox, ordenado padre dominicano em 1967, é autor de mais de 30 livros e fundador de movimentos que combinam as escrituras, a tradição, os místicos e os profetas em sua visão pessoal chamada de espiritualidade da criação. É uma teologia "verde", em que a proteção da natureza é considerada um sacramento.

A análise é do padre jesuíta Raymond A. Schroth, editor associado da revista America, dos jesuítas dos EUA. O artigo foi publicado no sítio National Catholic Reporter, 11-01-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Em 1993, ele foi expulso dos dominicanos por não ter conseguido explicar por que ele chamou Deus de "Mãe" e preferiu o termo "bênção original" a pecado original. Ele então se tornou pastor da Igreja Episcopal.

Seu último livro, The Pope's War, é muitas coisas. É mais um tratado do que uma análise, uma acusação caso a caso do sistema político-religioso que encobriu a crise de abuso sexual, e uma exposição das três sociedades secretas dominantes – Opus Dei, os Legionários de Cristo e o Comunhão e Libertação – que, em seu julgamento, fortificaram a concentração de poder em Roma, determinados a desfazer o trabalho do Concílio Vaticano II.

A força do livro reside em seu "martirológio" dos inimigos do "inquisidor". O inquisidor era o cardeal Joseph Ratzingercomo prefeito da Congregação para a Doutrina da FéFox apresenta uma lista de 91 homens e mulheres cujas carreiras foram postas de lado ou terminaram porque, no julgamento da Inquisição contemporânea, eles disseram a coisa errada.

Grande parte da sua narrativa é baseada no trabalho de outros estudiosos: Penny Lernoux sobre a América Latina e ateologia da libertaçãoJason Berry sobre a Legião de Cristo e seu fundador corrupto, Pe. Marcial Maciel Degollado;Michael WalshGordon Urquhart Maria del Carmen Tapia sobre o Opus Dei; e John Allen sobre os primeiros anos de Ratzinger, mas não sobre o Opus Dei, pois Fox sugere que Allen se deixou enganar por entrevistas de bastidores com as lideranças do Opus Dei.

As críticas mais fortes de Fox são ao Opus Dei, cujos bispos latino-americanos, afirma, foram os agentes vaticanos para a repressão das comunidades de base inspiradas pela teologia da libertação.

Então, é apresentado esse martirológio (das 91 pessoas da lista, aquelas que eu conheço são homens de absoluta integridade).

O padre redentorista Bernard Häring é mais conhecido como o teólogo moral pioneiro que centrou sua ética sobre a virtude da caridade. Convocado para o exército alemão em 1940, a observação das "ações diabólicas dos soldados cristãos alemães" em nome da obediência o convenceu de que a obediência nunca poderia ser um conceito central na teologia moral: deve ser a coragem de ser responsável. Ele alertou que os teólogos podem difamar a teologia por covardia, assim como por arrogância, e podem distorcer a verdade "lutando por ofícios e posições ou títulos de honra".

A história do franciscano brasileiro Leonardo Boff lembra ao leitor que a teologia da libertação era baseada nos princípios do Vaticano II, mas aplicada às "circunstâncias concretas e terríveis da América Latina na luta pela justiça e pela igualdade". Até o fim da década de 1970, mais de 850 padres e freiras haviam sido martirizados.

Os norte-americanos que estão impacientes hoje com a relutância dos bispos dos EUA para abordar questões de justiça social podem se inspirar com os bispos do Brasil, incluindo Pedro Casaldáliga, um bispo-poeta da selva amazônica. Interrogado por Ratzinger em Roma, ele foi silenciado e confinado em sua diocese. A razão: ele se recusou a viajar regularmente para Roma porque não tinha dinheiro. Casaldáliga aprovou a teologia da libertação, criou uma missa centrada na cultura indígena e negra e se refere ao arcebispo Óscar Romero, de El Salvador, como a um "mártir".

Na Tchecoslováquia, em 1945, Ludmila Javorova foi ordenada por Dom Felix Davidek, que suportou 14 anos em uma prisão comunista e se sentiu compelida, em sã consciência, depois da consulta com outros bispos, a ir ao encontro da necessidade de padres em uma situação desesperadora. Tendo sido avisada em 1995 que sua ordenação havia sido "inválida", Javorova se afastou. Hoje, ela diz que "Deus permitiu a minha ordenação. Eu queria apenas servir".

Em certo sentido, o livro de Fox é uma acusação contra o homem agora conhecido como Papa Bento XVI, que, motivado pela ambição, se transformou de um liberal do Vaticano II a um carreirista eclesiástico. Ele abraçou movimentos semifascistas como o Opus Dei por apoio psicológico e financeiro, e deixou uma lista de espíritos quebrados em seu rastro. Mas também é um manifesto sobre a própria espiritualidade de Fox, que ele afirma que pode salvar a Igreja.

As listas de mitos a serem descartados, tesouros a serem preservados e 25 passos para nos salvar são uma compilação de ideias debatidas na imprensa católica livre nos últimos anos. Tudo isso, mais as suas interpretações pessoais, vão desde a ortodoxia até a surpresa.

Os "mitos" que Fox descartaria incluem: o celibato, a dominância masculina, a centralidade do magistério, um papa "celebridade" e que Jesus é o "filho de Deus". Os tesouros incluem: o mistério pascal, a Encarnação, a cruz, Deus é amor, a imortalidade e que todos fazemos parte uns dos outros.

Como não há esperança de um terceiro Concílio Vaticano, porque seus possíveis candidatos a membros foram "reduzidos" a "homens que sempre dizem sim", o que devemos fazer para sermos salvos? Reconstruir a Igreja a partir da base; unirmo-nos a organizações leigas e manter encontros nacionais e internacionais; refazer o culto com pequenos encontros caseiros e danças extáticas; chamar de volta os ex-padres; limitar os nascimentos por razões ecológicas; confiar nos teólogos; e ouvir os jovens.

Costuma-se dizer em Nova York que um conservador é um liberal que acabou de ser assaltado. Se é assim, isso aconteceu com o Ratzinger das páginas de Fox. Ratzinger era uma vez progressista, mas ficou traumatizado quando uma manifestação estudantil invadiu o seu espaço universitário. Ele se afastou e calculou uma carreira conservadora que o levou ao topo. Mas, no retrato de Fox, ele continua sendo um ser humano.

Se esse livro fosse uma grande ópera ou um romance sobre um rei, ele poderia ter dois possíveis finais felizes.

Em um deles: um profeta-amigo do Antigo Testamento confronta o rei sozinho em seu quarto e percorre os acontecimentos de sua vida diante de seus olhos, e pergunta: "De que vale ao homem...?". O rei volta o seu rosto para a parede e chora aos prantos.

Em outro: quando Ratzinger removeu Fox do ensino da espiritualidade da criação em 1988, Matthew Fox escreveu-lhe uma carta ao "Querido irmão Ratzinger", que descrevia a Igreja como uma família disfuncional, resumia a espiritualidade da criação como compaixão e convidava Ratzinger para tirar um ano sabático e unir-se a ele: "Por que não abandonar a sua vida isolada e privilegiada no Vaticano para fazer danças de círculo com mulheres e homens", velhos e jovens, em busca de uma autêntica espiritualidade?

Quem sabe? Talvez ele o fará.

The Pope's War: Why Ratzinger's secret crusade has imperiled the Church and how it can be saved, de Matthew Fox, Ed. Sterling Ethos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário