Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

13 de setembro de 2013

Papa Francisco por Hans Küng

''Francisco não exorta ao diálogo: pratica-o. Essa é a força da mensagem''

Papa Francisco exorta não apenas ao diálogo com os não crentes, mas o traduz na prática.          De modo modesto e humilde, sem exercer nenhuma pressão, agindo com plena compreensão         pelas razões dos outros.
A opinião é do teólogo suíço-alemão Hans Küng, em depoimento para o jornal La Repubblica, 12-09-2013.    A tradução é de Moisés Sbardelotto.
Eis o texto.
O título da notícia poderia ser "um diálogo em igual dignidade". O Papa Francisco exorta não apenas ao diálogo com os não crentes, mas o traduz na prática. De modo modesto e humilde, sem exercer nenhuma pressão, agindo com plena compreensão pelas razões dos outros. Como a sua ideia de "fraterna proximidade".
Muitos pontos de vista teológicos parecem-me importantes.
Primeiro: o papa representa o conceito da encarnação da pessoa histórica de Jesus. E, da sua autoridade estendida à Igreja, que deixa questões em aberto.
Segundo: a natureza de Jesus como Filho de Deus não deve excluir outros, mas, ao invés, deve abrir a todos os seres humanos a vocação a se sentirem "filhos de Deus".
Terceiro: ninguém dispõe da Verdade absoluta. A Verdade da Fé, como manifestou em Cristo o amor de Deus, é essencialmente uma relação.
Quarto: a Verdade da Fé, que é símbolo de Luz, sempre foi, várias vezes, instrumentalizada por obscuros supersticiosos contra a Luz da razão. Portanto, eu me sinto confirmado no meu Caminho e Escolha, tendo sempre levado a sério as razões dos não crentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário