Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

6 de fevereiro de 2014

Diante do ícone

Jean Yves Leloup

O rosto do Cristo tinha a serenidade dos budas, os traços eram suaves, mas precisos e sem languidez, os olhos estavam abertos e eles não estavam vazios.
Para mim, aquilo foi o que eu passei a chamar de o “choque da síntese”. Dentro e fora não estavam mais separados, a interioridade não se opunha à exterioridade. Era realmente o rosto de um homem, mas transparente à uma outra Vida. A expressão do rosto não era psíquica como é o caso de certas imagens pias, mas ontológico; não era a expressão de uma emoção ou de um sentimento qualquer, mas a expressão de um “estado de Ser”, um “Eu” que é Amor... As palavras do patriarca me vieram à mente: “Nele, Deus e o homem não estão nem separados nem embaralhados.”
Não era o rosto de um separado, do individuo fechado na densidade do seu mármore e das suas moléculas, não era o rosto de um homem sem ego, sem traços particulares, dissolvido no oceano de um Todo de beatitude e, no entanto, havia algo de ambos, uma interioridade que não deixava nada a desejar à dos budas e uma presença carnal que não deixava nada a desejar à dos Apolos.
Será que eu não estava projetando no semblante do Cristo a síntese difícil que meu espírito estava procurando elaborar? Sem dúvida, mas o ícone estava ali, com o seu rosto sem sorriso que, no entanto, era todo acolhimento, com seus olhos abertos que me fitavam e que, no entanto, olham o interior, “para o Pai”. Mas isso eu aprenderia em seguida...
Naquele momento preciso, eu apenas recebia o “choque da síntese”. Essa síntese não era uma soma de pensamentos, uma nova ideologia, mas “Alguém”, uma “verdade em pessoa”. Não uma verdade científica, nem filosófica, sequer teológica: uma verdade em presença, um “Eu sou a Verdade”, um “Eu sou verdadeiro”, verdadeiramente Deus, verdadeiramente homem, no interior e no exterior, no início, no fim; eu sou o alpha e o omega.


Do livro “O Absurdo e a Graça” –Jean Yves leloup

Nenhum comentário:

Postar um comentário