Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

11 de agosto de 2015

Santos do cotidiano

Alfredinho, um mendigo padre


Pe. Alfredinho 1920-2000



Frédy Kunz, ou Pe. Alfredinho, como é mais conhecido, nasceu em 9 de fevereiro de 1920 e faleceu em 12 de agosto de 2000.
É conhecido como o “missionário” do Servo Sofredor e o companheiro dos pobres. A Irmandade do Servo Sofredor que ele mesmo fundou e com a qual se identificou resume todo o itinerário espiritual de sua vida.

A grande contribuição de Alfredinho não é outra senão chamar nossa atenção para os pobres, os sofredores, mostrar que o lugar deles é o coração mesmo do Evangelho, que o seguimento de Jesus é inseparável do serviço aos Pobres, e que só a partir dos últimos da sociedade é que se pode incluir e amar a todos.

Alfredinho convida-nos a centrar o nosso olhar não tanto sobre sua pessoa, miúda e silenciosa, mas na “doce Trindade” que acolhe e vivifica a vida dos pobres.
“Os Sofredores, associados à Paixão do Senhor e à cruz do Calvário são a fonte inspiradora de sua espiritualidade”.
Ele dizia: “Os pobres são os meus mestres”.

Deixou-se evangelizar pelos pobres que vivem o Evangelho, às vezes sem sabê-lo.
Alfredinho tinha um pé no chão cotidiano dos excluídos e o outro nas fontes da Sagradas Escritura, sobretudo nos cânticos do Servo Sofredor de Isaías e em Jesus, identificado como os “sem esperança” e os rejeitados.
Em alguns escritos e em suas pregações, costumava comentar a figura do Servo Sofredor e a praticar o caminho do aniquilamento e da esperança.

Frédy nasceu na Suíça e, desde os primeiros anos, integrou-se à escola da Juventude Operária Católica (JOC), sendo ele mesmo um operário.

A Segunda Guerra Mundial e o fato de ter sido prisioneiro do exército alemão revelaram-lhe que toda guerra e violência são uma brutalidade e um horror. Os membros da Irmandade que fundou carregam, ainda hoje, um pedaço de tecido e o número de identificação de Maximiliano Kolbe, mártir e santo dos campos de concentração nazista.

À semelhança de Gandhi, Charles de Foucauld e Teresa de Calcutá, inspirava-se na “não violência ativa”.
Trata-se de uma resistência contra qualquer tipo de opressão, até oferecer a própria vida por amor aos pobres.

Chegou ao Brasil em 1968 e fez sua opção radical pelos pobres em Crateús. Na dura seca do sertão de 1983, decidiu ir trabalhar na frente de emergência, falando mais com a vida que com as palavras. Carregava a enxada e o carrinho e juntava-se ao sofrimento do nordestino. Sobrevivia, como qualquer um, com um mínimo de coisas e nunca se deixou atrair pelo “demônio” do desperdício e do consumismo.
Quando, mais tarde, em 1988, mudou-se para São Paulo, foi na favela Lamartine (Santo André) que arrumou um lugar para viver. No meio dos “danados da terra”, continuou sua vida de oração e de solidariedade.

“Padre Alfredinho era um homem de oração, contemplativo e um místico”.
Não lhe importava o barulho das músicas e dos gritos da favela.
É ali que, com o Cristo pobre, passava, no incógnito e no anonimato, o melhor de sua vida.

Em 1995, com 75 anos, Alfredinho recebeu e acolheu uma grande graça: ir morar com os sofredores de rua.
E lá foi ele com os andarilhos, dormindo ao relento e fazendo-se, ainda mais, excluído com os excluídos.

Ficou na rua até que a saúde permitiu, depois voltou para a favela.
Morreu no silêncio e no abandono, pobre com os pobres.
Foi sepultado sem pompa.
Seus amigos e seus companheiros, no velório e enterro, viveram a experiência viva da Ressurreição, alegria pascal.

A Irmandade continua e os Servos Sofredores de Jesus (não de Alfredinho) vivem a alegria da pobreza e da esperança.

veja Pe. Alfredinho no video:



 Padre Alfredinho celebrando com seu povo no Nordeste




Um comentário:

  1. Eu não o conhecia, que vida linda!
    Que esteja ao lado de Jesus, como esteve em sua vida terrena!

    ResponderExcluir