Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

você pode me acompanhar também

Minha página facebook:
https://web.facebook.com/jricoliveira

Ou a pagina do Blog no Facebook:
https://web.facebook.com/oAbsurdoeaGraca/

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

30 de novembro de 2015

Uma história que se eternizou através dos tempos.


Sem Era nem Beira
(Pe. Zezinho)

José trabalhava na carpintaria,
cuidando zeloso da sua Maria.
Maria esperava chegar sua hora,
no ventre levava seu filho e Senhor.
Mas eis que um decreto os arranca do teto
que foi testemunha do mais puro amor.
E assim foi que antes de haveres nascido,
te vistes banido pelo imperador.
Por longas estradas que ainda não vias,
sem eira nem beira calado seguias.
No ventre materno escondido rumavas
p'ra onde mandava teu Pai lá do Céu.
Mas eis que em Belém não encontras morada,
Maria cansada não pôde esperar.
E assim Tu nascestes mirando as estrelas,
no ventre da terra e distante do lar.
A Tua pobreza escondia um segredo,
e naquele palácio o patrão teve medo.
E diz que um rei paranóico e doente,
num gesto demente mando te matar.
Mas eis que José pressuroso e aflito,
se exila no Egito p'ra te proteger.
E assim foi que ainda pequeno e calado,
te viste exilado p'ra sobreviver.
Voltaste do exílio para Galiléia,
que o filho do rei governava a Judéia.
Na carpintaria da casa de aldeia,
não representavas perigo nenhum.
José e Maria te viram crescendo,
e era alí um por todos e todos por um.
Mas eis que o fiel carpinteiro morria,
levaste Maria p'ra Carfanaum.
A vida era dura, passavam os dias,
o tempo chegara e de casa partias.
Alguem perguntou de que em lado moravas,
disseste em resposta o que dizem milhões.
"Se queres saber o caminho que eu traço,
acompanha meu traço, vem ver e sentir.
As aves do céu e as raposas tem casa,
mas eu nem sequer tenho aonde dormir."
Eu olhos os milagres de arquitetura,
colossos enormes rasgando as alturas.
E penso no povo que sofre e padece
por falta de teto de amor e de pão.
E leio o decreto que o tira do teto
porque não pagou seu patrão e credor.

E tu que já foste pisado e esmagado,
exilado e humilhado. Liberta teu povo, liberta Senhor.
E tu que já foste pisado e esmagado,
exilado e humilhado. Liberta teu povo, liberta Senhor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário