Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

24 de agosto de 2016

Hoje Senhor eu vim desabafar



Fico vendo, lendo e ouvindo o papa Francisco. Suas homilias, catequeses e documentos...
Como ele tem agido, sua maneira de ser cristão, fiel ao evangelho em tudo o que diz e faz... Vou observando o que acontece na maioria das paróquias do Rio de Janeiro e acabo concluindo que parece que são duas igrejas diferentes.
Parecem caminhos antagônicos.
Ele a simplicidade, a opção pelos pobres, a igreja em saída, a preferência evangélica pelos necessitados, doentes, excluídos...


Aqui um triunfalismo, um luxo exagerados nas casulas nos ostensórios com pedrarias, um excesso de ritualismo, muita emoção vazia , uma espiritualidade que parece que está a léguas de distância daqueles que cercavam Jesus. São vigílias, cercos de Jericó, adorações, umas coisas que beiram a histeria, em alguns casos uma gritaria que parece que que Jesus é surdo, muito pensamento mágico, explicações absurdas de que Deus escolhe uns em detrimento de outros, a pregação de um Deus ciumento, que precisa ser agradado e adorado... Muito Show e muita performance e pouca espiritualidade verdadeira, pouca entrega à vontade d'Ele, muita barganha, pouca confiança, muito palavrório e pouco silencio, pouca oração ...
Desculpem, mas o que me move é um pouco tristeza e muito de desilusão. Vejo o esforço do papa, seus recados aos bispos. Desde aquela fala dele aos bispos no Sumaré aqui no Rio na JMJ, o que mudou?

Não quero barganhar com Deus, não quero agradá-lo com medo que ele não me dê o que estou pedindo, não quero acreditar num Deus que não me ame de graça, sem negociações humanas, sem mortificações de aparência se endeusamento do sofrimento...
 Não quero um Deus que dissemina medo e culpa !
O papa fala em misericórdia, em um Deus que ama gratuitamente suas criaturas, fala em pastores com cheiro de ovelhas, alerta para não sermos a alfandega de Deus !
Eu leio no evangelho que o Senhor vai separar os que lhe deram de comer, beber, lhe visitaram no hospital, na prisão... e afirma que fazemos isso quando atendemos aos seus pequeninos, os pobres , os excluídos!
Diz que sua única lei é amar ...
Vejo o papa Francisco falando e fazendo justamente isso e em contrapartida vejo gente da igreja lhe fazendo oposição, chamando o papa de socialista !!!
Vejo gente da igreja do Rio seguindo deputados que pregam a morte a intolerância, a homofobia ou aquele padre que só se veste de preto e não perde a oportunidade de atacar e criticar seus colegas de ministério, ou aparecer ao lado de gente que não cansa de atacar o papa.
Isso será a misericórdia.
Não sou perfeito, sei que tenho muitos defeitos, mas há coisas que a cada dia mais me afastam. Queria muito seguir na igreja dos Franciscos, o de Assis e o de Roma, mas estou encontrando muita dificuldade...

Nenhum comentário:

Postar um comentário