Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

você pode me acompanhar também

Minha página facebook:
https://web.facebook.com/jricoliveira

Ou a pagina do Blog no Facebook:
https://web.facebook.com/oAbsurdoeaGraca/

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

17 de agosto de 2016

Meu anel de Tucun quebrou...

J. Ricardo A. de Oliveira

Um amigo vendo que eu estava querendo um outro para substituí-lo, perguntou o porquê de eu usar esse anel. E eu então expliquei a opção preferencial pelos pobres e pelas minorias. Ele então intrigado depois de um tempo em silêncio me disse muito sério: me desculpe, mas você /vocês que usam este anel estão errados. Eu espantado olhei para ele já pronto para iniciar uma discussão, mas antes que eu começasse a falar, ele então me disse: a opção não pode ser pela pobreza, ela tem que ser pela superação. A causa precisa ser pela superação da pobreza, pelo pleno restabelecimento da dignidade... E depois de muito falar ainda arrematou: eu tenho muito medo de algumas pessoas que se utilizam dos pobres para se promover, sem que tenham qualquer interesse pela superação. Há políticos que precisam dos pobres para fazer a assistência social e ganhar votos, outros precisam dos pobres para fazer deles sua muleta para seu discurso pseudo social. A Igreja salvo algumas exceções e do papa Francisco, que por acaso não usa o anel parece que em sua maioria fica só no discurso. Pobres são um achado, tanto para a direita quanto para a esquerda. A direita porque precisa de mão de obra barata e servil que trabalhe em troca de um salário que jamais lhes trará dignidade. A esquerda, alguns setores da esquerda há anos fazem o discurso de defesa dos pobres, mas ainda não conseguiram ir além de medidas paliativas e nunca fizeram investimentos sérios em educação que possibilitasse elevar o nível crítico destas pessoas de forma a torna-las mais conscientes e capazes de exigir seus direitos. Muito pouca gente está disposta a estar com os pobres para tirá-los da pobreza. É mais fácil fazer o discurso em defesa deles ou distribuir quentinhas nas noites para os mendigos nas ruas, mas até hoje não vi nada sério o bastante no sentido da erradicação da pobreza. Não é que eu critique os programas sociais como as bolsas do governo petista, mas até isso que é saudado pelo mundo como uma grande conquista, não é ainda um trabalho que faça a verdadeira mudança no pensamento crítico destas pessoas marginalizadas. E arrematou me espetando: vejo muita gente usando este anel, há muito tempo, mas temo que ele seja isso mesmo, uma marca da opção preferencial pelos pobres, mas infelizmente muitos poucos estão empenhados em ir além da opção de aparência e do discurso... Fiquei pensando e acho que tenho que concordar com esse meu amigo.

2 comentários:

  1. Perfeita reflexão! Acho que tenho que concordar com seu amigo!

    ResponderExcluir
  2. Caro Ricardo, concordo com seu amigo. Há um tempo que hesito em colocar o meu anel, pois vejo muita gente usar, mas não possuir sequer o pensamento voltado em trazer dignidade ao próximo. Entendo que não se deve "fazer uma opção" de algo que por si só já uma exigência do Evangelho. Perfeita a reflexão! Parabéns!

    ResponderExcluir