Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

11 de outubro de 2016

Brasil o país do futuro

Depois de meditar sobre essas coisas que andam acontecendo por aí, pacotes de maldades apoiados pelos cardeais das duas maiores cidades do Brasil, benefícios e beneficiários do golpe, a escalada da violência e...
Eu decidi não discutir mais sobre certos assuntos no face. A maioria de nós que por aqui transitamos podemos até ser um pouco prejudicados com essas ebulições politicas que o país vem atravessando, mas quem vai continuar se ferrando são os que não têm Facebook, porque não tem computador, porque não tem na verdade nada. Eles vão continuar calados esperando como sempre estiveram, sendo informados por pasquins vagabundos que são financiados pelos que detém o poder, pasquins que eles leem quando encontram já descartados pelos que tem como comprar jornais. Enquanto isso, nós da classe média, discutimos e escolhemos qual lado achamos que é o melhor, e independente do lado que estiver no poder continuaremos tomando nosso café da manhã, almoçando, lanchando, jantando e nos preocupando com os regimes e as academias, porque estamos acima do peso.
quem vai continuar se ferrando são os que não têm Facebook, porque não tem computador, porque não tem na verdade nada. Eles vão continuar calados esperando como sempre estiveram, sendo informados por pasquins vagabundos que são financiados pelos que detém o poder, pasquins que eles leem quando encontram já descartados pelos que tem como comprar jornais. Enquanto isso, nós da classe média, discutimos e escolhemos qual lado achamos que é o melhor, e independente do lado que estiver no poder continuaremos tomando nosso café da manhã, almoçando, lanchando, jantando e nos preocupando com os regimes e as
academias, porque estamos acima do peso.
confessaremos frequentemente e comungaremos, fazendo questão de esquecer aquele pedacinho do evangelho de Mateus 25 a partir do versículo 31. E seguiremos nos alegrando com nossa alma caridosa que dá aos menos favorecidos as nossas roupas
velhas, a comida que sobra de nossas mesas, e as esmolas que não fazem diferença em nosso orçamento; e não raro, passando bem longe daquelas pessoas vagabundas e mal cheirosas que não querem trabalhar e dos pivetes, esses ladrõezinhos, filhos dos tais vagabundos que deviam estar na cadeia para
preservar a "nossa" segurança.Somos todos um bando de hipócritas que todos um bando de hipócritas que fazemos muito barulho, mas fazemos muito pouco ou nada, na pratica para mudar. Passei minha adolescência toda sob o regime militar, dos 13 aos 33 anos ouvi que o bolo precisava crescer para ser dividido e que o Brasil era o país do futuro .Devo ter me enganado porque começo a ouvir outra vez que o bolo ainda precisa crescer para ser dividido e que o Brasil é, de novo, o país do futuro.
Espero que o futuro chegue logo e que os eternos sacrificados possam sentir o gosto desse bolo, já que nós, mesmo que em pequeníssimas quantidades, já o experimentamos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário