Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

13 de maio de 2013

Não deixem a Primavera virar Inverno

Hans Küng  (teólogo)




Quando Jorge Bergoglio tomou o nome de Francisco como Papa, ele fez algo que nenhum pontífice tinha feito antes: colocou-se a si mesmo na tradição do Poverello. Isto é, diz este grande teólogo, um desafio para o sistema romano, em termos de reforma espiritual e institucional.

Quando Jorge Bergoglio tomou o nome de Francisco como Papa, ele fez algo que nenhum pontífice tinha feito antes: colocou-se a si mesmo na tradição do Poverello. Isto é, diz este grande teólogo, um desafio para o sistema romano, em termos de reforma espiritual e institucional.

Quem teria imaginado o que aconteceu nas últimas semanas? Quando eu decidi, há alguns meses atrás, me demitir de todos as minhas funções oficiais, por ocasião do meu 85° aniversário, eu assumi que na minha vida eu nunca iria ver cumprido o meu sonho de longas décadas, depois de todos os contratempos após o Vaticano II: a Igreja Católica mais uma vez experimentar o tipo de rejuvenescimento que teve sob o Papa João XXIII.

E agora meu companheiro teológica de muitas décadas, Joseph Ratzinger - ambos agora com 85 anos- de repente anunciou sua renúncia de seu múnus papal eficaz a partir do final de fevereiro. E, no dia 19 de março (onomástico dele dia e meu aniversário), um novo Papa com o nome surpreendente e programático de Francisco, assumiu este cargo.

Será que Jorge Mario Bergoglio se perguntou por que nenhum Papa se atreveu a escolher o nome de Francis até agora? De qualquer forma, o Argentino estava ciente de que com o nome de Francisco, ele estava conectando-se a Francisco de Assis - o play-boy do século XIII, que tinha passado a vida a se divertir, o filho mundano de um rico comerciante de tecidos em Assis até à idade de 24 anos, quando ele desistiu de sua família, riqueza e carreira, devolvendo até suas roupas esplêndidas a seu pai.

É espantoso como, desde o primeiro minuto de sua posse, o papa Francisco escolheu um novo estilo: ao contrário de seu predecessor, ele não usa mitra com ouro e jóias, capa enfeitada com arminho, nem sapatos vermelhos os chapeus feitos sob medida, nem usa trono magnífico. É surpreendente, também, como o novo Papa, deliberadamente, se abstém de gestos solenes e retórica bombástica e fala na língua do povo, como faria um pregador leigo.

E é impressionante como o novo Papa enfatiza sua humanidade: ele pediu as orações do povo, antes que ele lhes desse a sua bênção, ele pagou sua própria conta do hotel como qualquer outra pessoa; mostrou sua simpatia aos cardeais no ônibus em que viajavam para a sua residência coletiva e durante a despedida oficial; e na Quinta-feira Santa lavou os pés dos jovens reclusos, inclusive os de uma garota muçulmana.

Este é o Papa que está demonstrando que é um homem com os pés no chão.

Tudo isso teria agradado Francisco de Assis e é o oposto do que o papa Inocêncio III (1198-1216) representou em sua época. Em 1209, Francisco e 11 Frades Menores viajaram para Roma a fim de apresentar ao Papa Inocêncio sua curta Regra que consistia inteiramente de citações da Bíblia, e para pedir a aprovação papal para seu modo de vida, pregando como pregadores leigos "de acordo com a forma do Santo Evangelho "e vivendo na pobreza.

Inocêncio III, o Duque de Segni, que tinha apenas 37 quando foi eleito papa, foi um governante nato - ele era um teólogo educado em Paris, um advogado astuto, um orador inteligente, um administrador capaz e um diplomata sofisticado. Nenhum papa antes dele ou depois teve tanto poder. A revolução a partir do topo iniciada por Gregório VII, no século XI, conhecida como a Reforma Gregoriana, foi completado por Inocêncio. Em vez do título de "Sucessor de São Pedro", ele preferia o título de "Vigário de Cristo", como o usado por todos os bispo e padres até ao século XII. O papa, ao contrário do primeiro milênio, nunca foi reconhecido pelas Igrejas apostólicas do Oriente, desde então vinha agindo como o governante absoluto, legislador e juiz do Cristianismo - até hoje.

Mas o triunfal pontificado de Inocêncio III provou ser não só o ponto alto do papado, mas também o ponto de virada. Já em sua época, havia sinais de decadência que, em parte, até em nosso próprio tempo, se mantiveram como características do sistema da Cúria Romana: o nepotismo e o favoritismo concedido aos familiares, ganância, corrupção e transações financeiras duvidosas. Até ao final do século XII, no entanto, poderosos movimentos de penitentes e mendicantes não-conformistas, como os cátaros e os valdenses, foram surgindo. Mas papas e bispos agiram contra essas correntes perigosas, proibindo pregação leiga, condenando "hereges" pela Inquisição e até mesmo pelas Cruzadas albigenses.

No entanto, foi o próprio Inocêncio III que tentou integrar na Igreja as evangélicas, as apostólicas ordens mendicantes durante todas as campanhas de erradicação contra obstinados "hereges", como os Cátaros. Mesmo Inocêncio sabia que era necessária uma reforma urgente da Igreja, e foi por esta reforma, que ele convocou o IV Concílio de Latrão. Então, depois de um longo admoestação, ele deu a Francisco de Assis a permissão para pregar.

Quanto ao ideal de pobreza absoluta, conforme exigido pela regra,antes o papa buscou conhecer a vontade de Deus em oração. Com base em um sonho no qual um pequeno, insignificante membro de uma ordem salvou a Basílica papal de Latrão papal de entrar em colapso - como foi dito - o papa finalmente permitiu a Regra de São Francisco de Assis. Ele deixou isso ser conhecido no consistório de cardeais, mas nunca o declarou por escrito.

Na verdade, Francisco de Assis representou a alternativa ao Sistema Romano.

O que teria acontecido se Inocêncio e sua turma tivesse mais uma vez tomado o Evangelho a sério? Mesmo se eles tivessem entendido espiritualmente, em vez de literalmente, as exigências evangélicas de Francisco, isso significou - e ainda significa - um imenso desafio para o centralizador, legalizado, politizado e clerical sistema de poder que assumiu a causa de Cristo em Roma desde o século XI.

Inocêncio III foi, provavelmente, o único papa que, por causa de suas características incomuns, poderia ter dirigido a Igreja por um caminho completamente diferente, e isso teria salvo os papados do décimo quarto e décimo quinto séculos do cisma e do exílio, e a Igreja no século XVI da Reforma Protestante. Obviamente, isso teria significado uma mudança de paradigma para a Igreja Católica no século XIII, uma mudança que, em vez de dividir a Igreja teria renovado, e ao mesmo tempo reconciliado as Igrejas do Oriente e do Ocidente.

Assim, as primeiras preocupações básicas cristãs de Francisco de Assis ainda hoje permanecem perguntas para a Igreja Católica e, agora, para um Papa que, indicando suas intenções, se chamou Francisco. É, acima de tudo, sobre as três preocupações básicas do ideal franciscano, que tem que ser levado a sério hoje em dia: isto é sobre paupertas ou pobreza, sobre umilitas ou humildade, e sobre simplicitas, ou simplicidade. Isso provavelmente explica porque anteriormente nenhuma Papa teve a coragem de tomar o nome de Francisco: criaria expectativas grandes demais.

Isso levanta uma segunda pergunta: O que significa para um Papa hoje ele ter a coragem de assumir o nome de Francisco? É claro que o personagem de Francisco de Assis não deve ser idealizada - ele poderia ser sincera e excêntrico, e ele tinha suas fraquezas, também. Ele não é o padrão absoluto. Mas suas primordiais preocupações cristãs devem ser levadas a sério, mesmo que elas não precisem ser implementadas literalmente, mas, antes, traduzido para os tempos modernos pelo Papa e pela Igreja.

Paupertas, ou da pobreza: A Igreja no espírito de Inocêncio III significava Igreja de riqueza, pompa e circunstância, cobiça e escândalo financeiro. Diferentemente, a Igreja, no espírito de Francisco significa práticas financeiras transparentes e modesta frugalidade.

Diferentemente, a Igreja no espírito de Francisco significa uma Igreja de políticas financeiras transparentes e modesta frugalidade. Uma Igreja que se preocupa acima de tudo com os pobres, os fracos, os marginalizados. Uma Igreja em que não se acumulam riqueza e capital mas, pelo contrário, se luta ativamente contra a pobreza e se oferece aos funcionários condições exemplares de emprego.

Humilitas, ou humildade: A Igreja no espírito do Papa Inocêncio significa uma igreja de poder e dominação, burocracia e discriminação, repressão e da Inquisição. Diferentemente, a Igreja no espírito de Francisco significa uma Igreja de humanidade, o diálogo, fraternidade e sororidade, hospitalidade até mesmo para os não-conformistas; isto quer dizer serviço despretensioso de seus líderes e solidariedade social, uma comunidade que não exclui novas forças religiosas forças e novas idéias, da Igreja, mas sim que lhes permite florescer e prosperar.

Simplicitas ou Simplicidade: A Igreja no espírito do Papa Inocêncio significa uma Igreja de imobilidade dogmática, censura moralista e cobertura legal, uma Igreja de direito canônico regulando tudo, uma Igreja do onisciente saber escolástico e do medo. Diferentemente, a Igreja no espírito de Francisco de Assis significa uma Igreja de Boas Notícias e de alegria, uma teologia baseada puramente no Evangelho, uma Igreja que escuta as pessoas em vez de doutrinar do alto, uma Igreja que não só ensina, mas constantemente aprende de novo.

À luz das preocupações e abordagens de Francisco de Assis, as opções e as políticas básicas podem ser formuladas hoje para a Igreja Católica, cuja fachada ainda brilha nas grandes ocasiões Romanas, mas cuja estrutura interna se mostra podre e frágil na vida cotidiana das paróquias em muitos países, razão pela qual muitas pessoas a têm abandonado, em espírito e, muitas vezes, também de fato.

Embora nenhuma pessoa razoável espere que todas as reformas possam ser efetuadas por um homem durante a noite, uma mudança seria possível em cinco anos: isto foi mostrado pelo alsaciano Papa Leão IX (1049-1054), que elaborou as reformas de Gregório VII, e no século XX, pelo italiano João XXIII (1958-1963), que chamou o Concílio Vaticano II. Mas hoje o direcionamento tem de ser aclarado novamente: não uma restauração rumo aos tempos pré-conciliares, como houve com o Papa João Paulo II e de Bento XVI, mas, pelo contrário, com medidas consideradas, planejadas e bem comunicadas para reformar segundo as linhas do Concílio Vaticano II .

Mas será que a reforma da Igreja não vai encontrar séria oposição? Sem dúvida, o Papa Francisco vai despertar poderosa hostilidade, acima de tudo, na poderosa Cúria Romana, oposição que vai ser difícil suportar. Quem está no poder no Vaticano, provavelmente não estão com vontades de abandonar o poder que tem sido acumulada desde a Idade Média.

Francisco de Assis também experimentou a força de tais pressões da Cúria. Ele, que queria libertar-se de tudo, vivendo na pobreza, agarrou-se cada vez mais de perto à "Santa Madre Igreja". Ao invés de estar em confronto com a hierarquia, ele queria ser obediente ao Papa e à Cúria, vivendo à imitação de Jesus: em uma vida de pobreza, e de pregadores leigos. Ele e seus seguidores tinham até se tonsurado, a fim de entrar no estado clerical. Na verdade, isso fez a pregação mais fácil, mas, por outro lado, incentivou a clericalização da comunidade jovem, que incluiu mais e mais sacerdotes.

Portanto, não é surpreendente que a comunidade franciscana se tenha tornado cada vez mais integrado no Sistema Romano. Os últimos anos de Francisco foram ofuscados pelas tensões entre os ideais originais dos seguidores de Jesus e a adaptação de sua comunidade com o tipo existente de vida monástica.

Em 3 de outubro 1226, com idade de apenas 44, Francisco morreu tão pobre como ele tinha vivido. Apenas 10 anos antes, o Papa Inocêncio III morreu de maneira completamente inesperada com a idade de 56 anos, um ano após o IV Concílio de Latrão. Em 16 de Junho 1216, o corpo de Inocêncio foi encontrado na Catedral de Perugia: este papa que tinha sabido como nenhum outro antes dele, aumentar o poder, a prosperidade e a riqueza da Santa Sé, foi encontrado abandonado por todos, completamente nu, roubado por seu próprios servos. Era como trombeta sinalizando a transição de dominação mundial papal à impotência papal: no início do século XIII houve Inocêncio III reinando em glória, no final do século, houve o megalomaníaco Bonifácio VIII (1294-1303) preso pelos franceses, e, em seguida, um longo exílio de 70 anos em Avinhão e o Grande Cisma do Ocidente, com dois e, finalmente, três papas.

Apenas duas décadas após a morte de Francisco, o movimento franciscano se espalhando rapidamente na Itália parecia estar quase completamente domesticado pela Igreja Romana pelo que rapidamente se tornou uma ordem normal ao serviço da política papal, e até mesmo se tornou uma ferramenta da Inquisição. Se, então, era possível que Francisco de Assis e seus seguidores foram finalmente domesticado pelo sistema romano, então, obviamente, não pode ser excluída, que um papa Francisco também poderia ser preso no sistema romano, que ele deve deveria reformar. Papa Francisco: um paradoxo? É possível que um Papa e um Francisco, obviamente opostos, jamais poderão se reconciliar? Só por uma mente evangélica que reforme o Papa.

Para concluir, tenho uma última pergunta: o que deve ser feito se as nossas expectativas de reforma forem frustradas? Já passou o tempo em que o Papa e os bispos poderiam contar com a obediência dos fiéis. Um certo misticismo de obediência também foi introduzida pela reforma gregoriana do século XI: obedecer a Deus significa obedecer a Igreja e isso significa obedecer ao Papa e vice-versa. Desde essa altura, tem sido martelada em católicos que a obediência de todos os cristãos ao o Papa é uma virtude cardeal, comandar e impor obediência - por qualquer meio - tornou-se o estilo o Conselho Superior, em Jerusalém: "O homem deve obedecer mais a Deus do que aos homens".

Não devemos, então, de modo algum, cair numa aceitação resignada. Em vez disso, confrontados com a falta de impulso para a reforma da hierarquia, devemos tomar a ofensiva, pressionando pela a reforma de baixo para cima. Se o papa Francisco iniciar as reformas, ele vai descobrir que ele tem a grande aprovação de pessoas que vão muito além da Igreja Católica. No entanto, se ele permitir que as coisas continuem como estão, sem limpar a confusão das reformas em andamento, como o da Leadership Conference of Women Religious, então o chamado de "Tempo de indignação! Indignez-vous! ", vai tocar mais e mais alto na Igreja Católica, provocando reformas de baixo para cima.

Estas seriam implementadas sem a aprovação da hierarquia e, frequentemente, mesmo a despeito das tentativas de evasão da hierarquia. Na pior das hipóteses - como escrevi antes da recente eleição papal - a Igreja Católica vai experimentar uma nova Era do Gelo em vez de uma primavera e vai correr o risco de diminuir e virar apenas uma grande seita irrelevante.

Dr. Hans Küng - presidente honorário da Fundação Ética Global. Perito do Vaticano II. Teólogo. Escritor

Seu livro mais recente, Nós podemos salvar a Igreja Católica! Podemos salvar a Igreja Católica? -Publicado por Collins.

11 mai 2013



Tradução do inglês: João Tavares 


Nenhum comentário:

Postar um comentário