Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

28 de julho de 2015

Tologia da libertação e Oração


Coletânea  de textos sobre  A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E A ORAÇÃO"

É a oração que assegura a unidade, em relação dialética, entre a fé e o amor. Pela oração, imprimimos caráter evangélico à nossa ação e dilatamos a nossa fé. A oração quebra as nossas resistências ao amor e impele-nos a manifestar esse Amor pelo nosso amor. Ela aguça a nossa sensibilidade evangélica, de modo a tornar a vida de Cristo presente em nossa vida. A oração é o espaço por excelência onde, no Espírito que a anima, atingimos a plenitude de nossa liberdade frente às pessoas, às coisas e ao mundo. Por isso, ela é para o cristão tão importante quanto o alimento para a pessoa poder pensar e agir".
Frei Betto, Oração na Ação.




A fé, nutrida da oração, propicia-nos uma ruptura constante com os elementos nocivos que a ideologia dominante introjeta em nossa vida. Arranca-nos do pecado, da atitude de fechamento, para ampliar em nós o espaço da ação transformadora da graça. Faz-nos efetuar uma nova leitura do processo histórico, através do qual percebemos seu sentido último e absoluto, sem os riscos de absolutizarmos os dados de uma leitura parcial, imediata,racionalista e científica".
Frei Betto, Oração na Ação.

"A ação não é oração, a luta não é oração, a oração é oração! A luta pelo Reino, a ação evangelicamente honesta, será vivência da fé e da caridade pastoral-política, mas não é oração - como a doença não se identifica necessariamente com a pobreza, porque há ricos doentes...Trata-se, então, de viver a oração, de testemunhá-la, de ensiná-la. Exercer sempre em nossa família e em nossa comunidade - no meio do triste e querido mundo humano, mais ou menos distanciado de Deus - a pastoral da oração. Todo agente de pastoral deve ser um agente de oração".
Dom Pedro Casaldáliga,Nossa Espiritualidade.

"Nunca podemos prescindir da oração pessoal, do tu a tu com Deus, da fala da criatura consciente ao Criador pessoal, do filho/filha à Mãe-Pai. A oração pessoal diária deve ser o outro pão nosso de cada dia. Aqui não cabe claudicação nem subterfúgio".
Dom Pedro Casaldáliga, Nossa Espiritualidade.














"A oração, uma atitude fundamental na vida de Jesus, deve ser a atitude fundamental em nossa vida. Se a fé é relação pessoal com Deus, deverá ser logicamente comunicação com Ele: oração. Nosso Deus é Deus-conosco, nós devemos ser com-Ele. Uma fé que não ora é uma fé morta, um amor cortado".
Dom Pedro Casaldáliga, Nossa Espiritualidade.

"Se, como dizia Arturo Paoli em um retiro, orar é frequentar o Senhor Jesus,eu acho que em todos estes sofrimentos, preocupações, angústias, nesta lutae inclusive nestas contradições, frequento insistentemente o Senhor Jesus.Apelando a ele, vivendo sua Páscoa, sentindo sua cruz, reclamando a força de sua Ressurreição. Buscando sua Palavra e seus gestos como chaves de interpretação. Cantando também. Uma grande oração minha é o canto; o canto com o povo ou sozinho, em diversos momentos, inclusive nas longas viagens deônibus, contemplo e canto. As vezes alguém pensará que sou doido, embora não cante a pleno pulmão, é claro, mas com voz discreta. Fiz-me algo teilhardiano e comungo com a natureza e com a presença universal de Deus em tudo e em todos os seres. Diante da festa belíssima e ultrajada natureza,sinto a unidade e a presença de Deus. Antes eu achava que a contemplação nãoera para mim, mas agora eu estou cada vez mais dentro".
Dom Pedro Casaldáliga, Na Procura do Reino.

"A oração é uma expressão de fé, de confiança no Senhor, ato original e específico do crente. Ela se move no âmbito do amor, amor que sabemos estar marcado, na sua própria raiz, pela gratuidade. Com efeito, trata-se de um diálogo amoroso, segundo uma acepção de Teresa de Ávila. Algo que brota como resposta humilde e confiante ao dom gratuito do Pai e como desejo decompartilha-lo, generosamente, com os irmãos. Como todo diálogo de amor,corre este perigo de ser interpretado, por um terceiro, como um ato inútil quando, na realidade. é vivido como uma experiência de gratuidade. Segue dali o silêncio próprio da oração, como em todo encontro amoroso. E a experiência humana nos dá testemunha disto: chega-se a um momento em que as palavras não dizem mais nada".
Gustavo Gutierrez, Beber do Próprio Poço.






"Deve haver um lugar explícito para a oração, aquela atitude da alma que se abre diretamente a Deus. Uma coisa é pensar sobre Deus, falar dEle e de Seu desígnio. Isso o fazem continuamente a teologia ou o discurso religioso.Outra muito diferente é falar a Deus, abrir-se a Ele, chorar diante dEle pela demasiada escuridão da história, encher-se de interrogações - até quando, Senhor, por quê, meu Deus? - sobre tantos dramas das pessoas e dos povos que nos jogam na abissalidade de um propósito divino que nos escapa ouque não sabemos conjugá-lo com a bondade divina, alegrar-se, cantar e porque não? - dançar diante dEle até as lágrimas pela superabundância de sentido, de luz e de satisfação em viver, saborear o amor, em sentir-se plenificado. Isso é viver uma experiência mística e deixar-se tomar pelo mistério".
Leonardo Boff, Ecologia, Mundialização, Espiritualidade.

"A oração da ave-maria, tão profundamente assimilada, juntamente com o pai-nosso, à piedade diária dos cristãos desde os primeiros balbucios das crianças, encerra todas as riquezas do mistério de Deus em Maria. É qual mina de ouro; quanto mais se cava mais pepitas vêm à tona. Na breve oração da ave-maria se cristalizou a memória coletiva dos cristãos. Com sua recitação trazemos à tona da consciência, do louvor e da petição aquilo que se passa no nível do mistério"
Leonardo Boff, A Ave-Maria - O Feminino e oEspírito Santo



"A oração traduz a suprema expressão da fé viva. Pela oração, a pessoa deixa, como atrás de si, o universo de todas as coisas e busca uma relação com o Supremo. Eis a manifestação da verdadeira transcendência humana. Só o ser humano pode colocar-se numa posição 'estática', vale dizer, contemplar cara a cara a Deus, gritar-lhe 'meu Pai!' e assim ultrapassar todos os limites impostos pela criação e pela história. Nesta atitude se encontra sua suprema dignidade. Orar é um ato de coragem; supõe grandeza e dilatação doespírito e do coração para além dos tempos indefinidos e dos espaços abertos do macrocosmo. Tudo isto é demasiadamente pequeno diante de Deus e diante do impluso do coração que não diz 'sum!' (eu sou) mas 'sursum!' (para cima)".
Leonardo Boff, A Ave-Maria - O Feminino e o Espírito Santo

"Toda verdadeira libertação, na perspectiva cristã, arranca de um profundo encontro com Deus que nos lança à ação comprometida". Leonardo Boff, O Pai-Nosso - A Oração da Libertação Integral."A oração, nesse sentido, nos engrandece, porque continuamente nos tira do centro de nós mesmos e nos centra num absoluto fora de nós, acima de nós e dentro de nós, que se apresenta como uma Alteridade absoluta benfazeja, que não podemos domesticar mas que experimentamos, se entrega com gratuidade e sempre está aí, também quando estamos crucificados em nossos problemas. Esta atitude é mais que um ato. Ela cria em nós o ocular mediante o qual conseguimos identificar Deus misturado com todas as coisas".
Leonardo Boff,Ecologia, Mundialização, Espiritualidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário