Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

você pode me acompanhar também

Minha página facebook:
https://web.facebook.com/jricoliveira

Ou a pagina do Blog no Facebook:
https://web.facebook.com/oAbsurdoeaGraca/

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

11 de novembro de 2010

A HARPA DE DEZ CORDAS

Jean Yves Leloup/Por: João Márcio

Segundo um conhecimento ancestral, o ser humano é uma harpa com dez cordas, cada uma delas representando um nível do corpo. E elas precisam estar em afinação não só para que o indivíduo alcance equilíbrio físico, mental e espiritual mas também para que duas pessoas experimentem a comunhão em seu estágio mais elevado: o sagrado.
O psicólogo, padre ortodoxo e teólogo francês Jean-Yves Leloup reafirma essa teoria e explica como alcançar a comunhão nas diversas linguagens do corpo.

Texto: Wilston F. D. Weigl

O que é o corpo e o que ele representa? A morada do espírito ou um obstáculo à vida espiritual? O veículo para tomarmos consciência da presença divina que nos habita ou, ao contrário, uma prisão que nos encarcera nos limites da dor física e do sofrimento? Essa reflexão, tão extensa quanto profunda, foi o ponto de partida da palestra Corpo: Encontro do Sagrado com o Profano, do filósofo, psicólogo, padre ortodoxo e teólogo francês Jean-Yves Leloup, em visita ao Brasil. Aos 56 anos, Leloup, além de um conferencista reconhecido internacionalmente, é autor de diversos livros sobre a espiritualidade. Entre elas estão O Corpo e Seus Símbolos (ed. Vozes), A Sabedoria do Salgueiro (ed. Verus) e O Romance de Maria Madalena (ed. Verus). Na obra mais recente, O Ícone - Uma Escola do Olhar (ed. Unesp), ele analisa as representações sacras da igreja cristã ortodoxa.

"Para alguns, o corpo é tudo, enquanto para outros não significa nada", pondera Leloup. "Mas, antes de nos interrogarmos sobre o corpo, precisamos nos maravilhar com ele." Para o teólogo, a alma dá forma ao corpo: sem sua presença, ele se dissolve. "Então, cuidar do corpo significa cuidar da alma que o anima", explica. "Tomar consciência da vida que se incorpora em cada um de nós, essa é uma experiência sagrada. Profano é o esquecimento do ser que se encarna nesse corpo. Por isso, existem pessoas que são como casas inabitadas: há a bela aparência exterior, mas não há nada dentro delas."

A HARPA DE DEZ CORDAS

Segundo Leloup, os antigos falavam de um corpo plural, referindo-se a ele como uma harpa com dez cordas. Nessa visão, cada corda representa um nível corporal. "Para que haja harmonia, precisamos ajustar a tensão em cada corda", frisa o teólogo. "Se estiverem muito tensas, o som será demasiadamente agudo. Se estiverem frouxas, não haverá som." Para o especialista, a relação que temos com nosso corpo determina a relação que estabelecemos com o corpo do outro. E cada um dos dez corpos interage de forma distinta com os corpos dos parceiros. Veja como cada uma das cordas da harpa traduz um aspecto do corpo humano, segundo Jean-Yves Leloup.

1 - CORPO DE MEMÓRIA: é aquele moldado pelas características genéticas, herdadas não apenas dos pais e da família mas também de antepassados, e condicionadas às raízes raciais e culturais. "Esse corpo é habitado por todas as memórias passadas de geração em geração", explica Leloup. "Algumas pessoas sentem falta desse corpo, pois desconhecem suas raízes. Para outras, essa memória é excessiva, uma herança pesada demais que carregam vida afora. Por isso, é fundamental avaliar como nos relacionamos com as memórias que nos habitam. Pois, quando encontra outro, nosso corpo se depara com a linhagem presente nele. E, por vezes, essas duas linhagens sentem dificuldade em se entender e se entrosar pelo excesso do peso do passado."

2 - CORPO DO APETITE: para o padre Leloup, somos feitos do que comemos. "Nosso melhor médico é o que está no prato", diz. Mas às vezes, segundo ele, nos falta o apetite - não apenas pelo alimento mas pela própria vida. "Dessa falta de gosto é que surge o desgosto pelo mundo, pela matéria, trazendo como conseqüência algumas patologias, por exemplo, a anorexia e a bulimia", afirma Leloup. Para ele, a comunhão entre as duas pessoas se estabelece igualmente por meio dos corpos de apetite, o compartilhar do alimento e do prazer em viver. "Às vezes, nossos apetites não combinam, não temos os mesmos gostos, e isso é uma fonte de sofrimento. Mas, quando há um acordo entre nossos apetites pelo alimento e pela vida, se estabelecem os momentos sagrados de comunhão", explica.

3 - CORPO DO DESEJO: esse nível, de acordo com Leloup, guarda a mais pura essência do ser. "Para a realização pessoal, temos que viver de forma coerente com nossos desejos, e não com os de nossos pais ou sociedade. A maior busca do ser humano é saber o que deseja realmente: todo o trabalho da psicanálise está em sintonizar o ser humano com sua essência mais verdadeira", frisa o teólogo. Para que haja a verdadeira comunhão entre duas pessoas, os corpos de desejo têm que se harmonizar. "Há que se ouvir o desejo do outro. Podemos alimentar um leão com as verduras mais frescas ou um coelho com deliciosas carnes, mas no fim ambos morrerão de fome. Podemos dar a outra pessoa o que é para nós o mais precioso, mas ela não recebe nada e morre de inanição. Porque seu desejo, sua verdadeira natureza, não tem a ver com o que damos a ela", diz Leloup.

4 - CORPO DE PULSÃO: esse nível abarca a libido, vista não apenas como o instinto sexual mas como a energia ativa e criadora que move o ser humano. "Alguns sentem falta dessa energia, enquanto outros a têm em excesso e se deixam levar por impulsos", diz Leloup. O desafio é usar de forma positiva essa força instintiva, primordial, que habita cada um de nós. "No relacionamento, precisamos estar sempre atentos a nosso corpo de pulsão e também ao do parceiro. Quando essas energias entram em acordo, há um encontro sagrado", define.

5 - CORPO EMOCIONAL: há um nível conformado pelas emoções. "Elas dão cor à existência. E nosso corpo encontra em outro corpo também uma gama de emoções. É importante poder rir ou mesmo chorar juntos e experimentar a união em nível emocional", ressalta o teólogo francês. "Às vezes, podemos ser muito inteligentes, porém incapazes de comunicar nossas emoções", continua. Segundo Leloup, em uma empresa, família ou comunidade, às vezes são os corpos emocionais que não estão em acordo, comprometendo a troca e a expressão.

6 - CORPO DO PENSAMENTO: segundo Jean-Yves Leloup, memórias de todas as nossas vivências e experiências habitam o corpo e essa carga, quando excessiva, impede a expressão mais espontânea e transparente do ser. "Muitas vezes, nosso corpo fica extremamente pesado sob todas as falas e pensamentos não expressos", ressalta o especialista. É preciso prestar atenção e saber até que ponto o que fica por dizer pode atrapalhar a comunhão entre dois seres. E também não há por que temer manifestar as diferenças de opinião. "Pensamos de maneira diferente para que possamos crescer", salienta Leloup.

7 - CORPO DO CORAÇÃO: às vezes, a principal dificuldade nos relacionamentos reside na dificuldade de expressão no nível desse corpo. "A pessoa gostaria de amar, mas sente como se essa energia, essa presença, a tivesse abandonado. E isso pode ser a causa de um imenso sofrimento. Então, enxerga o mundo, aos outros ou a si mesma de um modo seco, frio, sem coração", explica Jean-Yves Leloup. Abrir o coração ao outro é uma forma de suprema entrega, segundo o padre. E essa experiência pode até mesmo transcender o encontro entre dois seres. "São Francisco de Assis expressou em seu corpo de coração a compaixão por toda a humanidade", diz o teólogo.

8 - CORPO DOS SONHOS: é aquele que nos visita a cada noite, segundo o especialista. "É importante conhecer nossos sonhos, pois eles revelam em nós a presença de arquétipos, as imagens do inconsciente comuns a toda a humanidade. Por isso, devemos nos perguntar quais são essas grandes imagens que moram dentro de nós, pois elas podem dirigir e iluminar nossa vida. Novamente, trata-se de trazer harmonia para essa corda da harpa. Quando meu corpo encontra outro corpo, fundem-se esses universos de imagens. É importante conhecer que sonhos habitam o outro, que arquétipos o animam, para que haja o encontro sagrado."

9 - CORPO DE LOUVOR: nesse espaço dentro de nós, celebramos a alegria em seu nível mais profundo, que é a simples satisfação por estar vivo. Quaisquer que sejam as dores que possamos estar experimentando, há de existir essa fagulha que nos anima. "Quando encontramos outro corpo, é importante poder comungar nessa celebração da vida. Que pode ser compartilhar uma boa refeição ou talvez rezar juntos, aproximados nesse corpo de louvor", afirma Leloup.

10 - CORPO DE SILÊNCIO: em cada um de nós, há um campo feito de puro silêncio que é às vezes justamente algo que nos falta. "Somos preenchidos por ruídos, pensamentos, memórias, emoções", explica Leloup. "Não se pode esquecer da presença do ser silencioso que habita nosso corpo. E há algo de muito belo quando nosso corpo encontra o corpo de silêncio do outro. Simplesmente estar calado ao lado de alguém. Não se trata do silêncio negativo, quando faltam as palavras ou há algo que não é dito. Mas o silêncio que representa um abraço de união, compartilhamento, paz", finaliza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário