Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Receba "O Absurdo e a Graça" por Email

Total de visualizações de página

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

29 de julho de 2011

O SILÊNCIO DOS PRÓ VIDA

O amigo Julio de Pelotas, RS me mandou esse artigo que considero uma excelente reflexão e que coincide  com o que penso e com o que sempre critiquei pelo fato de se defender apenas um aspecto da vida.

Que sejamos Pró-Vida, mas em todos os seus aspectos.
J. Ricardo

                                        O SILÊNCIO DOS PRÓ VIDA
                                                   Júlio Lázaro Torma

                                   " O pão dos indigentes é a vida dos pobres;
                                     aquele que lhe tira é um homicida"  ( Eclo 34,25)

    Tem me causado muita estranheza o silêncio dos auto denominados, intitulados movimentos em defesa da vida, pró vida, da familia.Nesta época no ano passado tais movimentos estavam num alarde só com marchas e campanhas contra a candidatura á presidencia da senhora Dilma Rousseff e da aprovação do 3º PNDH ( Programa Nacional dos Direitos Humanos), pelo congresso brasileiro.
   O que viam como uma bolivarização ou comunização do Brasil e um atentado a vida,aos valores ocidentais cristãos e a familia brasileira num velho retrocesso e surrado discurso pré 31 de março de 1964.
   Talvez o silêncio destes  setores se deve a derrota em que tiveram no Supremo Tribunal Federal,onde os magistrados os traíram ao homologar as uniões homoafetivas.
  Mas o que me causa estranheza, fascínio é a omissão dos pró vida diante dos ataques diários em que a vida humana é atacada,principalmente da população mais pobre e excluída do nosso país e do mundo.É fácil falar em aborto,casamento gay,pois são assuntos secundários que chama atenção da mídia,toca nos sentimentos das pessoas,como o caso do aborto ou a curiosidade em relação ao casamento gay. Um assunto que todos nós já temos uma opinião formada de sermos contra ou afavor.
  Mas não vejo em relação a questões importantes,como a violência normativa,concentração de renda, terra( urbana e rural),destruição da natureza e os conflitos pela água. A violência que atinge as populações das favelas,bairros pobres; o tráfico de drogas que mata os nossos jovens,adolescentes,crianças, onde as drogas estão legalizadas em qualquer esquina e comercializadas livremente a luz do dia.
   Onde os nossos jovens já estão com o veneno nas veias, que vidas são destruídas, familias e comunidadesdestruídas pelo consumo, a prostituição infanto-juvenil,os  homicídios praticados pela policia e o narcotráfico.
   Trabalhadores rurais assassinados pelo agronegócio,familias camponesas,indígenas e quilombolas expulsas de seu chão pelos grandes empreendimentos agrícolas, que envenenam a vida de agricultores e consumidores.
    A morte  de moradores de rua,crianças em frágeis barracos de acampamentos e casebres,de pacientes nas filas do SUS ( Sistema Único de Saúde) dos hospitais, lotados e sucateados no atendimento médico,além de um sistema pressional que forma criminosos em vez de resocializar os que caíram no mundo do crime.
    O ex presidente uruguaio,de centro direita, agnóstico e colorado Julio Maria Sanguinetti( 1986-1990), fala " que é violação dos direitos humanos pessoas dormirem nas calçadas,morrerem nas filas dos hospitais e de fome ou frio".
   Mas não vejo os pró vida, denunciarem estas graves violações dos direitos humanos,pois para eles a morte dos pobres é normal,necessário, pois nós não somos considerados pessoas á não ser números de estatisticas que aparecem nos relatórios e tele-jornais.
   Olham a nossa desgraça através das páginas policiais dos jornais, da tela da TV nos tele-jornais( JN,Datena,Boris Casoy, Lasier Martins), da vidraça de suas casas,apart e do para brisa de seus confortáveis automoveis.
  QUANDO A VIOLÊNCIA OS ATINGE AI RECLAMAM DA INÉRCIA DO ESTADO, QUE NÃO RESOLVE O PROBLEMA.Ficam calados quando uma mulher da alta sociedade e do seu meio aborta numa clínica particular,ou que crianças pobres morrem de fome,desnutridas,nas filas do atendimento médico no colo de suas mães,de frio ou de bala perdida.
  Nunca vi os pró vida nos bairros pobres, favelas, acampamentos,denunciando as violações diárias dos direito a vida dos mais pobres.Elogiam Madre Teresa de Calcutá,São Francisco e Santa Clara de Assis, Felipe Neri,Camilo de Lellis, mas não fazem como eles,ir ao lugar do pobre, lavar, limpar as suas feridas.
  Pois isso não dá ibope, manchete á ninguém, isso que me causa mais estranheza, fascínio diante da omissão dos pró vida.Devemos sim defender a vida da gestação até a morte natural, para isso é necessário fazer algo, como combater os mecanismos que geram a morte de milhares de seres humanos.E nos vem o convite de escolha: 
 " Escolhe,pois, a vida" ( Dt 30, 19), de que lado estamos?

Nenhum comentário:

Postar um comentário