Absurdo e graça!

.Na vida hoje caminhamos entre uma fome que condena ao sofrimento uma enorme parcela da humanidade
e uma tecnologia moderníssima que garante um padrão de conforto e bem estar nunca antes imaginado.
Um bilhão de seres humanos estão abaixo da linha da pobreza, na mais absoluta miséria, passam FOME !
Com a tecnologia que foi inventada seria possível produzir alimentos e acabar com TODA a fome no mundo,
não fossem os interesses de alguns grupos detentores da tecnologia e do poder.

"Para mim, o absurdo e a graça não estão mais separados.
Dizer que "tudo é absurdo" ou dizer que "tudo é graça "
é igualmente mentir ou trapacear...
Como morrer e ressuscitar, o absurdo e a graça são só dois lados da mesma moeda."
"Hoje a graça e o absurdo caminham, em mim lado a lado,
não mais estranhos,
mas estranhamente amigos"
A cada dia,nas situações que se nos apresentam podemos decidir entre perpetuar o absurdo ou promover a Graça. (Jean Yves Leloup)

* O Blog tem o mesmo nome do livro autobiográfico de Jean Yves Leloup, e é uma forma de homenagear a quem muito tem me ensinado em seus retiros, seminários e workshops *

Seja Bem vindo (a)!

Agradeço por sua visita, ela é muito oportuna.
Aqui eu reúno pensamentos meus
e de algumas outras pessoas com quem sinto afinidade de idéias e ideais.


"Vamos precisar de todo mundo
pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
vamos precisar de muito amor...

Vamos precisar de todo mundo,
um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
é só repartir melhor o pão...

Deixa nascer o amor/Deixa fluir o amor
Deixa crescer o amor/Deixa viver o amor

O sal da terra,..." (
Beto Guedes)

24 de julho de 2019

Como é possível que a juventude esteja se torando conservadora ?



É muito curioso o que venho observando, uma quantidade significativa de jovens tem se interessado em estudar e seguir ideias e autores conservadores. A princípio pensei ser  um erro de percepção meu. Depois achei que algo errado poderia estar acontecendo com o que se refere ao tipo de ensino que estava sendo ministrado nas escolas e universidades. Como poderia ser possível jovens tornarem-se simpáticos ao conservadorismo?

Fiquei pensando em minha juventude, em como éramos revolucionários. Pensei no movimento de 68, na contracultura, no movimento hippie, nos revolucionários na França...e acabei por perceber que o mundo mudou, e mudou muito desde 68. E percebi que aquele movimento não foi capaz de produzir mudanças significativas a ponto de tornar o mundo melhor, e muito menos, atingir os ideais utópicos daquela época de Paz e amor. Na verdade, o mundo caminhou por estradas difíceis. As drogas entraram para valer no cotidiano da população, a violência em alguns lugares aumentou significativamente, não houve um desabrochar do amor e muito menos criou-se um clima de Paz mundial.

Ora, é próprio do jovem ser contra o estabelecido, e o que ficou estabelecido foram valores, muitas das vezes, apenas modernosos e excessivamente liberais no que se refere a ética e moral. O mundo vamos combinar ficou meio caótico. Com isso o caldo de cultura para a contestação juvenil estava pronto. Os jovens geralmente se colocam contra o que está estabelecido, e, o oposto do estabelecido é justamente aquilo que foi objeto de uma grande “campanha de banimento”, a “modernidade”.

Ficou fácil então ouvir as recomendações de quem diz que o mundo está perdido, que o comunismo é o responsável, que essa liberalidade ameaça a família, que essa “sensualidade excessiva” não é saudável à sociedade, e todo um discurso retrógrado começou a ganhar, mais e mais adeptos. 
Ser revolucionário, por mais absurdo que possa parecer, passou a ser sinônimo de flertar com o conservadorismo, e é isso que estamos vendo.

Este  é um fenômeno que se alastra rapidamente e que está sendo sustentado por organizações, ou parte delas, de tendência conservadoras. Isso se alastra pela política e vemos uma crescente influência dos setores, mais à direita da política. Nas religiões com movimentos conservadores ganhando adeptos e proferindo discursos cada vez mais retrógrados, na academia com um crescente interesse por autores do passado e, de uma maneira geral, por uma curiosa e crescente simpatia pela volta da monarquia.


Espero sinceramente que este estado de coisas não seja muito duradouro e que descubram logo como esse retrocesso poderá impactar negativamente a saúde psíquica das pessoas. Torço que isso seja apenas a crise que antecede a mudança de paradigmas globais da civilização e que esses valores possam ser rapidamente questionados e transformados.


10 de julho de 2019

Quem sou eu?


Quem sou eu?
Pergunto-me inquieto:
Serei esta, serei este?
Serei isto ou aquilo?Serei?
Olho para o espelho,como se fosse a primeira vez.
Sou eu?
Quem sou eu?
Dizem-me:Tu és aquilo que produzes, és o papel que desempenhas, és o nome que trazes, és o que tu possuis.
Tu és...
Não, eu não sou o que produzo, nem o papel que desempenho, não sou o que os outros pensam.
Eu sou eu, ouço sussurrar dentro de mim.
Continuo indagando,continuo procurando, até que a pergunta chegue às margens do silêncio, e eu sinta em minha alma o toque do mistério.
Grava-se uma voz em meu coração:
Tu és Deus.
Ouço dizer:
"Deus se tornou humano para que o ser humano se fizesse Deus".
E lanço-me neste vaso divino, para o mistério insondávelde que Deus nasce em mim.

E o Verbo se fez carne,
EM MIM.

( do Livro "Se Quiser Experimentar Deus - Anselm Grün)

28 de junho de 2019

O Sagrado Coração

J. Ricardo A de Oliveira



Uma das representações mais  bonitas e importantes
de toda a tradição cristã católica é a representação
do Sagrado Coração de Jesus.

Ela nos remete à principal missão do Mestre.

E na verdade a representação daquilo que ele veio fazer em nosso mundo.

O Dharma( missão) sublime, de ensinar o amor á humanidade.

Eu vos dou um novo mandamento: 
Que vos ameis uns aos outros como eu vos amei.

Sim ele nos deixou como mensagem que o seu único mandamento
que resume toda a Lei e toda a profecia é justamente o AMOR.

Amai-vos uns aos outros.
Amai a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo.
Amai a Deus,
amai a vós mesmos (como a ti mesmos),
e amai ao próximo.

E o discípulo tardio ainda irá acrescentar:

"...Ainda que eu falasse a lingua dos anjos
e a dos homens, se eu nao tivesse amor nada seria..."
(I Corintios Cap 13)

A devoção ao Sagrado Coração tem sua origem na própria Sagrada Escritura. O coração é um dos modos para falar do infinito amor de Deus. Amor que chega a seu ponto alto com a vinda de Jesus.
O Sagrado Coração aparece em dois acontecimentos fortes do evangelho: o gesto de João, discípulo amado, encostando a sua cabeça em Jesus durante a última ceia (cf. Jo 13,23); e na cruz, onde o soldado abriu o lado de Jesus com uma lança (cf. Jo 19,34). No primeiro temos o consolo pela dor da véspera de sua morte, e no outro, o sofrimento causado pela incensatez dos seres humanos incapazes de compreender o amor sem reservas e limites.
Estes dois exemplos do evangelho nos ajudam a entender o apelo de Jesus, feito em 1675, a Santa Margarida Maria Alacoque quanto a honrar o seu Divino e Sagrado Coração.
O Coração e o amor  nos levam à misericórdia. É muito atual este tema da MISERICÓRDIA,  já que celebramos recentemente o Ano Santo da MISERICORDIA. A palavra tem sua origem no latim. Além  de ter a mesma escrita e pronuncia, também compartilha o mesmo significado que a palavra em português: clemência ou piedade. É composta pelos termos latinos MISERATIO, derivado de MISERERE, que significa “compaixão” e CORDIS, derivado de COR,  “coração”.
A ciência moderna tem comprovado o que os antigos acreditavam sobre o coração: o coração é o centro de uma sabedoria superior. Ele pode realmente se lembrar de coisas e pode funcionar de forma muito parecida com o cérebro.  “Há um cérebro no coração, metaforicamente falando.  “O coração contém neurônios e gânglios que têm a mesma função que as do cérebro, tais como a memória. Para a ciência o coração é a Sede da Vida. Para a espiritualidade o coração é a morada do Espírito Santo, duas formas de descrever a mesma realidade.




O Sagrado Coração nos remete ao Chacra cardíaco
Jesus veio ao mundo com o propósito de desenvolver,
abrir e ampliar a irradiação deste centro vital.
Por isso a sua lei é Amar .
Chakra em sânscrito significa roda, círculo e ciclo. Nos tratados orientais os chakras são descritos como os centros de energia psíquica sutil que esta sempre fluindo dentro do nosso organismo através de três nadis (canais) principais, que se chamam Ida, Pingala e Sushmna e se estendem, envolvendo a coluna vertebral. Os chakras que correspondem na maioria das vezes os plexos nervosos anatômicos, são formados pelo entrelaçado destes canais. Conforme o Shiva Svarodaya (ensinamentos de Shiva sobre as energias vitais) existem 72.000 nadis (canais). Destes, dez são mais importantes. No corpo sutil do ser humano, estes canais tem função de conduzir os dez tipos de energias vitais mais importantes. Estes centros e canais não são tridimensionais, por isso, não podem ser observados fisicamente no corpo mas, através da meditação é possível visualizar a forma, cor e as outras propriedades deles.


Nas pessoas em geral, os chakras aparecem como círculos com aproximadamente 5 cm. de diâmetro, de cores foscas mas nas pessoas evoluídas espiritualmente, eles se tornam brilhante e maiores e giram em forma de redemoinho.

O quarto Chacra


Nome em Sânscrito: Anahata

Localização: Peito

Correlação física: Ligado à glândula timo

Cor: Amarelo-ouro (rosa ou verde também)

Bijamantra para desbloqueio energético: Yam

Bijamantra para desbloqueio psíquico: Kákini




Significado:

Invicto, inviolável, morada do Divino

Elemento: Ar

É o chacra responsável pela irrigação do coração.
Considerado o canal de movimentação dos sentimentos.
É o chacra mais afetado pelo desequilíbrio emocional.
 Bem desenvolvido, torna-se um canal de AMOR
para o trabalho de assistência espiritual.
Quando existe um bloqueio nesse chacra,
a pessoa sente depressão, angústia, irritação
opressão no peito.

Alguns místicos cristãos do passado tinham conhecimento desta "fisiologia sutil". A abadessa Hildegard de Bingen (1098-1179) Santa Hildegarda, uma mulher muito à frente e seu tempo, conhecia e praticava essa medicina que envolvia o conhecimento das plantas, pedras e cores e em seus muitos relatos existem ensinamentos sobre a aplicação de determinadas pedras, cores e sons sobre centros vitais do corpo (os chacras).
Infelizmente esse conhecimento foi todo abandonado pela igreja.

Honrar o Sagrado Coração nos faz meditar e questionar a nossa conduta frente ao mandamento do Mestre e ao que S. Paulo indaga em sua carta: “Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero” Romanos 7:19

Constantemente repetimos:
Jesus manso e humilde de coração, fazei o nosso coração, semelhante ao Vosso
.
Mas infelizmente parece que ficamos só na repetição da jaculatória de maneira mecânica, esbanjamos egoísmo, indiferença, ódio, injustiça ... ultimamente parece que temos estado com nossos “pavios” muito curtos. São frequentes as demonstrações de intolerância, as cenas de agressão e violência gratuitas. Muitos de nós agem como se não estivéssemos comprometidos com a mensagem de Jesus e mesmo pedindo um coração semelhante ao dele, temos comportamentos preconceituosos, impermeáveis ao perdão e pouco interessados no projeto da construção do Reino que Ele nos mandou construir. Certamente estamos esquecidos de que foi Ele próprio que nos chamou atenção de que quando desprezamos a qualquer uma das suas criaturas é a Ele que estamos desprezando. E que ele separará os misericordiosos dos egoístas. (Mt25,31e ss)
Vivemos recentemente um Ano Santo dedicado à misericórdia, peçamos a Jesus, o grande arquetipo da síntese, que faça realmente uma grande mudança em nossos corações, que troque o nosso coração de pedra, que condena antes de procurar perdoar, que  exclui antes de se abrir ao que é diferente. Peçamos um coração inclusivo, um coração que não tem medo de se doar, de se rasgar, de se comprometer com as causas que a sociedade de hoje teima em rejeitar como na época dos primeiros tempos do cristianismo. 

“Cria em mim oh! Deus /Um coração igual ao Teu /
Liberto para amar sem ter limites /...........
Sem mágoas, maldições e cheio de perdão.
Transborda nele a Tua paz/ Tu és olheiro molda e faz /
Faz jorrar teu rio vivo e o teu mover’.          
(Marcos Goes)



21 de abril de 2019

Páscoa, é tempo de renovação.



Ó Noite de Alegria verdadeira,
uniu de novo o céu e a terra inteira !

Na natureza tudo parece estar em vias de mudança,
as folhas mais amareladas, caem das árvores.
 A temperatura é mais amena, os dias um pouco mais curtos...
Momentos de transição.

A passagem do verão para o inverno parece nos lembrar 


que a vitalidade do verão 
precisa passar por uma transformação 
para que possa, mais adiante, voltar a ser verão.

A Páscoa é também a lembrança de uma passagem. 
A constatação, de que tudo é impermanente. 
Assim como na primeira páscoa 
o povo judeu conquistou a libertação de seu cativeiro no Egito, 
os cristãos rememoram a mensagem de libertação 
que Jesus veio nos trazer.



A morte não é o final da vida, é apenas uma etapa,
uma transição necessária para atingirmos escalas mais altas,
mais próximas daquele que nos criou
.





Naquela manhã, diante do túmulo vazio, 
Maria de Magdala encontra-se com Jesus.
Era ela que estava com Maria aos pés da cruz
até o fim, quando os outros fugiram.
É a ela que Ele pede que avisem a Pedro e aos outros.
Foi a ela que ele escolheu dar primeiro esta notícia:
Estou aqui !
eu vencí !



Da mesma forma que os apóstolos acreditaram
no que parecia impossível,

é preciso manter sempre acesa a esperança,
manter firme o sonho

de que uma nova maneira de viver é possível:
mais fraterna, igualitária e amorosa. 



Jesus Ressuscitou!
O AMOR venceu!

É tempo de ressuscitar os sorrisos,
 o amor, a certeza de novos e melhores dias
Ressuscitar a Alegria e a esperança.
Ressuscitar a vontade de lutar
por um mundo que tenha a face do amor.
A face de Jesus.

Que a nossa páscoa seja a certeza de que caminhamos todos para a luz, 
para a igualdade, para o renascimento da Paz, da justiça 
e da alegria para todos, sem exceções.

Feliz Páscoa !


17 de abril de 2019

O Amor e o Temor a Deus



Seguir Jesus implica em decisões pouco populares numa igreja patriarcal, 
como por exemplo trocar o TEMOR a Deus pelo AMOR de Deus. 
Onde existe amor, o temor não sobrevive.

"onde existe amor, fraterno amor, Deus aí está"
O amor de Deus liberta de todo medo e de toda culpa.


Esta é talvez a maior ameaça que a Teologia da libertação representa
para uma igreja retrograda mantida por um fundamentalismo patriarcal.


.

16 de abril de 2019

Um poderoso símbolo que cai

Olhando o desmoronamento da grande seta do alto da catedral,
 me ocorreu que a seta ereta no alto da catedral era como um grande Phalus, 
uma espécie de símbolo do patriarcado na igreja \ submetendo a casa da mãe. 
Ele já não está mais lá. Sua queda como que preconiza o fim do patrarcado. 
O Inicio de uma nova era, a era do retorno do feminino sagrado. 


Talvez por isso que os homens pouco integrados com suas Animas
precisem demonstrar tanta violência, usar e defender o uso de armas e
 praticar violências absurdas contra as mulheres.
São atitudes típicas de um sistema agonizante,
em suas últimas tetativas de usar as práticas velhas
de afirmação e domínio.

A Catedral de Notre Dame em chamas



Olhando assustado para as imagens  na tela do computador  e meio que atônito me pergunto: como, quem, mas sobretudo porque esse símbolo tão forte  da civilização arde assim em chamas?
Como não há um sistema de prevenção para acidentes como este?
Eu fiz essa pergunta também no lamentável incêndio do nosso museu, daqui da Quinta da Boa Vista, mas infelizmente aqui é Brasil, estamos acostumados a estas lamentáveis displicências, mas em Paris? E com o marco zero da França?  Uma catedral com 850 anos de existência?

As influencias Junguianas me fizeram ficar preso na ideia do que este evento tão doloroso  estaria querendo simbolizar algo para nós.
A casa de Maria, a Notre Dame, a casa da nossa Dama, nossa mãe... Maria Mãe do mundo, Maria a mulher, a humana, a matéria que serviu a Deus para gerar Jesus, o filho de Deus.

Deus precisou se utilizar de uma criatura sua para se manifestar no meio dos homens e é esta criatura, Maria, que desde 1163 tem esse importante marco no coração de Paris.

A  antiga oração cristã, um símbolo importante da cristandade, o credo Niceno-Constatinopolitano reza:
“Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus Verdadeiro, GERADO, não criado, consubstancial ao Pai... “
Desde os primórdios, a cristandade sabe que Jesus não foi criado, e sim gerado, gerado na matéria, gerado em Maria.

Logo me surgiu na mente  o fantástico Hino à matéria do grande Teilhard de Chardin

“Eu te saúdo, potência universal de aproximação e de união, através da qual se liga a multidão das mônadas e na qual convergem todas sobre a rota do Espírito.
Eu te saúdo, fonte harmoniosa das almas, cristal límpido de onde é tirada a nova Jerusalém.
Eu te saúdo, Meio Divino, carregado de Potência Criadora, Oceano agitado pelo Espírito, Argila amassada e animada pelo Verbo encarnado.”
(Hino a Matéria - Teilhard de Chardin)


Um hino á matéria, à mãe matéria, da qual Maria é a principal referência quando pensamos na criação.

E a pergunta voltou a me desafiar:
O que esse incêndio está querendo simbolizar apara todos nós ?


Edward F. Edinger
, em seu livro “O Arquétipo Cristão”, a respeito do mito da “Virgem Maria”, diz : “A virgindade de Maria configura-se como importante parte do simbolismo. Parece haver uma conexão arquetípica entre a virgindade e a capacidade de lidar com o “Fogo Sagrado” (energia transpessoal). Na Roma Antiga as virgens vestais eram as guardiãs da chama sagrada. Entre os incas peruanos mulheres virgens mantinham no templo um fogo santo”.

Adam Mclean, em seu livro “A Deusa Tríplice: Em Busca do Feminino Arquetípico” , diz algo interessante para esta reflexão:

A Deusa é um arquétipo eterno da psique humana, embora a desprezamos e reprimamos ou neguemos exteriormente a sua existência. Desde os primórdios de nossa civilização ela se revela a nós em desenhos  rupestres e em esculturas primitivas, nas grandes mitologias, manifestando-se na nossa cultura atual sob os mais diversos disfarces. Ela faz parte do tecido de nosso ser, com o qual toda a humanidade tem de se relacionar interiormente se desejarmos ter em nossas almas um equilíbrio de base. Ela é parte tão essencial da humanidade que, mesmo se, nos próximos séculos nos tornarmos filhos do Cosmo, deixando a Terra para trás em sua viagem para as estrelas, sem dúvida a encontraremos nas escuras profundezas do espaço”.


Vejo a Notre Dame em chamas no exato momento, dramático, em que na cúpula principal, a seta desaba. A seta que apontava para o céu, como a indicar a ligação entre o céu e a terra, ou simbolicamente aquilo que a Nossa Dama representa, o elo que liga o criador e a criatura, o meio que Deus se utilizou para se manifestar entre os humanos, para descer à matéria.

Na minha mente se abre  a tela do que temos visto mundo afora, guerras, destruição, egoísmo.refugiados não recebendo ajuda e sendo rechaçados por onde passam, a natureza, a criação sendo destruída pela ganância,  a eleição de dirigentes de países pouco comprometidos com a felicidade da humanidade, toda sorte de absurdos que indicam claramente o perigo da extinção da espécie humana.

Talvez seja esse o recado simbólico que essa tragédia venha nos indicar. Se não cuidarmos da preservação , a seta vai se romper. A ligação vai ser desfeita e a terra seguirá adiante, mas sem a espécie que tentou destruí-la.


Bendita sejas tu,
áspera matéria,
terra estéril,
dura rocha,
que cedes apenas à violência
e nos forças a trabalhar
se quisermos comer.
Bendita sejas,
poderosa matéria,
evolução irresistível,
realidade sempre nascendo,
que a cada momento fazes em estilhaços nossos limites
e nos obrigas a procurar
cada vez mais profundamente a verdade.
.................................................................
Bendita sejas,
matéria imortal,
Tu, que, desagregando -te um dia em nós,
nos induzirá, forçosamente,
no íntimo daquilo que é.
Sem ti, matéria,
sem teus combates,
sem teus dilaceramentos,
viveríamos inertes,
estagnados,
pueris,
ignorantes de nós mesmos
e de Deus.
.............................................
Leva-me para o alto, matéria,
pelo esforço,
a separação
e a morte.
Leva-me para onde for possível,
enfim, abraçar castamente.

( Hino à Matéria - Teilhard de Chardin)





14 de abril de 2019

Um fenomeno chamado Francisco

Ele é sem dúvida alguém que ficará gravado na memória da humandade.
Ele é maior até do que a posição que ocupa,
consegue o feito de sendo uma figura máxima de uma religião,
ser amado por todas as religioes e por inúmeros ateus.
 Na verdade Francsico é um presente de Deus para a humanidade nestes momentos conturbados que atravessamos.
 Vida longa a Francisco de Roma!